Maputo - O negociador da Privinvest, apontado como pivot do escândalo das dívidas ocuttas em Moçambique, Jean Boustani desfez nesta quarta-feira, 20, o mistério em torno da figura com a designação Nuy, que beneficiou de comissões ilícitas ao afirmar que trata-se de Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique.

Fonte: VOA

O Centro de Integridade Pública (CIP), que cobre o julgamento em Brooklyn, Nova Iorque, escreve que Boustani fez a revelação no decurso do julgamento que decorre em Brooklyn, Nova Iorque.

“Nuy é o actual presidente de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi. Pagamos-lhe um milhão de dólares como contribuição para a sua campanha eleitoral (em 2014)”, revelou Boustani.

O empresário libanês disse ao Juiz William F. Kuntz II que o dinheiro para Nyusi foi enviado para uma empresa chamada Sunflower International, com sede em Abu Dhabi.

O nome Nuy tinha sido mencionado noutros documentos e associado a outras designações como New Man.

Na altura da contratação das dívidas – dois mil milhões de dólares ao Credit Suisse e VTB – Filipe Nyusi era ministro da Defesa, indicado para candidato presidencial da Frelimo, em substituição de Armando Guebuza, também citado neste escândalo.

Tais dívidas foram feitas com a justificação de realização de projectos de protecção costeira em Moçambique e pesca de atum.

A empresa Privinvest, com sede em Abu Dabhi, era principal parceira das autoridades moçambicanas no processo.

Na sessão desta quarta-feira, 20, Boustani apresentou a lista de outras figuras e entidades moçambicanas que receberam fundos ilícitos do escândalo que colocou o país numa crise financeiras sem precedentes.

Da lista constam Teófilo Nhangumele, Partido Frelimo, Bruno Langa, Chopstick (Manuel Chang, ex-ministro das Finanças), Gregório Leão e António Carlos do Rosário (ex-chefes da secreta moçambicana).

Uma das novidades da lista é o nome de Armando Inroga, ex-ministro da Indústria e Comércio de Moçambique.

Os Estados Unidos julgam Boustani por entenderem que neste escândalo foram defraudados investidores americanos.

O julgamento termina nesta sexta-feira, 22.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: