Lubango  - O governador provincial da Huila, Luís Manuel da Fonseca Nunes deu, esta terça-feira, um ultimato aos directores dos órgãos de comunicação social daquela localidade para que num espaço de 24h apresentem justificação das razões que os levaram a não ter feito cobertura de uma atividade em que esteve presente, sobre o tema da seca no sul do país.

Fonte: Club-k.net

“Por não terem feito   cobertura da sua atividade”

O governador por via de uma comunicação, data de 26 de Novembro, transmitida pelo director de comunicação social do governo provincial Luís Manuel Garrido considerou como “grave a postura da ausência dos órgãos, sem prévio aviso a julgar, pela importância que se revestem os actos relacionados com a seca no país”.


Por isso mesmo, o governador Luís Manuel da Fonseca Nunes exige que lhe prestem um esclarecimento, da não cobertura da atividade do governador, na qualidade de mãos alto mandatário e digo representante da Província do Presidente da República


Segundo dados oficiais, a população afectada pela seca na província da Huíla subiu de 173 mil para 206 mil, com a chegada de pessoas provenientes do Namibe e do Cunene, sobretudo pastores que procuram por pasto para o gado nos municípios dos Gambos e Matala.


As zonas afectadas pela seca são os municípios do sul da província como os Gambos, Chibia, a zona sul da Matala (comuna do Mulondo), Jamba (Tchamutete), Quilengues e as fronteiriças do Lubango, Cacula, assim como algumas regiões do Quipungo e Humpata. A população afectada, precisara, mensalmente, de 200 toneladas de bens alimentares.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: