Luanda - Propaganda, desagregação do Estado, rádio como tecnologia, escuta sofisticada da rádio por partes dos ouvintes, papel da rádio na luta anticolonial, figuram entre os tópicos abordados nesta entrevista.


Fonte: Observatório da Imprensa


Domingos da Cruz - Temos a professora Marissa Moorman, da universidade de Indiana, EUA. Vamos conversar a propósito do seu último livro, “Powerful Frequencies: Radio, State Power and the Cold War in Angola (1931 to 2002).” Gostaria de agradecer pela disponibilidade. Qual é a síntese geral que pode fazer sobre o seu último livro?
Marissa Moorman – Queria agradecer esta oportunidade de falar sobre o livro. É um livro sobre a história de Angola no século XX. traça como linha o desenvolvimento da rádio, e relação da rádio com o desenvolvimento do Estado, no primeiro caso com Estado colonial e administração colonial, no segundo caso depois da independência com o Estado independente pós colonial.


Gostaria de avançar alguns pormenores concretos? Sei que a actuação do Estado colonial no que diz respeito ao uso da imprensa passou por vários pontos de Angola. Quer destacar alguns aspectos concretos?
Sim. Posso falar amplamente do que trato no livro. O Estado só começa realmente a prestar atenção séria a questão da rádio como forma de contra- subversão nos anos 50. Abriram a emissora oficial de Angola nos anos 50, mas, só a partir dos anos 60 é que começam a usar a rádio de forma séria. Usam a rádio por causa da base que tem os clubes de rádios amadores que tem uma extensão pelo território inteiro. Então, isto dá ao Estado a capacidade de usar esses clubes de rádio como forma de transmissão ou retransmissão de maneira a atingir o território no seu todo. Para o caso da imprensa, no tempo colonial, sabemos que houve muita censura e muita propaganda, principalmente nos anos 70 no âmbito da guerra anticolonial.


Qual é a relação que se pode estabelecer entre a história da rádio em Angola e o problema da consciência histórica, do ponto de vista da teoria da história?
Podemos ver em termos de padrões. Vai se traçando através do tempo. Em geral, costumamos a pensar, não só em termos de Angola mas, historicamente em vários sítios, sobretudo no continente africano, pensamos a independência como uma rotura no tempo. Acho que vemos cada vez mas muito menos rotura em termos de maneira de governar, administrar e tratar das coisas. O que é que aprendi com essa história? Há certas linhas de semelhanças que ultrapassam a fronteira entre o tempo colonial e o tempo pós-colonial. Isto não quer dizer que não há diferença. Acho que há diferenças muito importantes, por exemplo, a Rádio Nacional de Angola, depois da independência, conseguiu fazer coisas que a rádio no tempo colonial nunca conseguiu fazer em termos de infra-estrutura e por ai fora. Acho importante ver isso. É uma das coisas que eu conto neste meu livro. E o facto é que a Rádio Nacional de Angola depois de 77 torna-se numa instituição do Estado que funciona altamente bem, pelo menos até 92. Isso é importante porque não é uma história muito comum que nós temos, sobretudo de Estados independentes no continente africano. Uma história de sucesso das instituições. Acho que a Rádio Nacional de Angola é um exemplo de uma instituição que funciona muito bem durante um certo tempo, isto não quer dizer que não foi também o amplificador da posição do partido que controla o Estado, até então, mas tudo isso deve ser visto na sua complexidade.


Destaca a questão das diferenças, quais são as semelhanças na forma de gerir as rádios no período colonial e pós colonial?
São semelhanças no sentido do que a rádio tem efeito. Sua influência e efeito sobre os ouvintes. A partir de 61 e sobretudo a partir de 63 e 65 quando começam a emitir as transmissões da rádio da FNLA e do MPLA, neste caso a Voz Livre de Angola e Angola Combatente, esta última de certeza que foi a mais importante entre as duas rádios. Começamos a ver nos documentos da PIDE e das forças armadas do Estado colonial, preocupação com as emissões destas rádios e não só. Também há preocupação com as rádios internacionais: a rádio Moscovo, rádio de Beijing, rádio de Gana, VOA, RFI e Voz da Alemanha. Quer dizer, há toda uma preocupação em relações com as emissoras externas que os angolanos podiam sintonizar. Mas há uma certa preocupação forte com as emissões de Angola Combatente e de a Voz de Angola Livre. O que vemos nestes documentos, e estou a falar sobretudo do acervo que se encontra na Torre do Tombo e do arquivo histórico militar em Lisboa. Ali encontramos a maior quantidade de documentação sobre isso. Eles seguiam as rádios. Foram ouvindo e gravando, transcrevendo as emissões destas rádios. Também notamos nestas transcrições, uma certa ansiedade e nervosismo sobre aquilo que as pessoas podem estar a ouvir. 
As vezes contam terem encontrado as pessoas a acompanharem as transmissões destas rádios. Por isso, os agentes da PIDE e os militares nestas áreas de transmissão ficam muito nervosos e ansiosos com aquilo que os angolanos estavam a ouvir ou estão a ouvir. Nem sempre sabiam a amplitude da audição, então, eles ficam ansiosos. Nota-se esta resposta emocional a transmissão, da parte da PIDE e dos militares. Isso quer dizer que há todo um nervosismo da parte das Estado colonial relativamente as emissões da Angola Combatente e a Voz Livre de Angola. É curioso porque nós sabemos que em termos militar o Estado colonial estava a ganhar a guerra. Eles estavam muito preocupados com esta questão das rádios e dos movimentos de libertação. Acho isso super interessante. Depois da independência também notamos um certo nervosismo em como o Estado responde a rádio; Neste caso o Estado independente dominado pelo MPLA responde as emissões da VORGAN que era a emissora da UNITA baseado na Jamba. Depois vimos o nervosismo do Estado pós-colonial em resposta aos movimentos mas recentes; aos movimentos contra a presidência de José Eduardo dos Santos. A resposta que o estado tem contra os jovens. E ainda o caso do jornalista Rafael Marques é uma resposta nervosa. [Permite perceber] que é uma comunicação não consegue controlar tudo, então, respondem de maneira violenta e também com certo nervosismo.


Voltando a questão da rádio, dizia que a Rádio Nacional é um exemplo de uma instituição que após a descolonização funcionou muito bem. Pode esclarecer-nos? Fez uma análise de conteúdo ou questão técnica? Parece que em termos de produto de informação deixa muito à desejar.
Acho que é preciso muito mas pormenores. Não é possível fazer uma análise de conteúdos facilmente. Para já, acho que as coisas vão mudando tanto quanto no Jornal de Angola. Vimos e ouvimos vozes diferentes no Jornal de Angola, principalmente nos anos 80. Não vimos o [contraditório] depois do século XXI, quer dizer, há mudanças e também vê-se isso na Rádio Nacional de Angola. Só o facto de ter que ser partidário para trabalhar na Rádio Nacional de Angola [expressa a linha]. Isso não quer dizer que nunca lançaram críticas a sociedade ou a política. Acho que isso é importante. Do ponto de vista técnico, eles conseguiram coisas que nunca conseguiram no tempo colonial: no tempo colonial a ideia de rádio foi de funcionar somente ou seja, não era para ter uma audiência imperial. Neste âmbito, Portugal foi bastante fraco relativamente aos outros regimes coloniais e fascistas no tempo Benito Mussolini e Francisco Franco. Houve uma diferença: o Salazar não estava interessado em usar a Rádio para mobilizar as pessoas, tanto dentro de Portugal como nas colónias. A intenção deles não foi de criar uma rádio de grande dimensão. Nunca deram muito dinheiro para isso.
Quando se forma a Rádio Nacional de Angola depois da Independência, o Estado pós-colonial teve que lutar para criar uma Rádio Nacional de Angola para todo território. Nunca no tempo colonial houve uma Rádio Nacional. Isso é importante porque no tempo colonial a emissora oficial de Angola usava os estúdios da rádio clubes para fazer retransmissão, mas não criaram uma rede no território inteiro. Foi conseguido somente depois da independência e levou muitos anos para fazer. A Rádio Nacional, também como instituição funcionou muito bem e conseguiram criar certas coisas dentro da rádio, que endereçavam aos desejos e as perspectivas das pessoas [no quadro] das conquistas do socialismo. O que é isso quer dizer? Sabemos que o MPLA quando declarou o Estado independente, algum tempos depois, declarou também ser um Estado marxista-leninista e de ser um partido de trabalho. Os ideais socialistas foram muito difíceis de se conseguirem numa situação de guerra e crise económica, mas dentro da Rádio Nacional, com uma equipa eles conseguiram fazer algumas coisas: criaram uma creche para os trabalhadores, criaram uma cantina onde as pessoas podiam comer. Todos os trabalhadores da rádio, desde as pessoas da área de limpeza até os directores; eles conseguiram dar pão mensalmente; gás para as necessidades de casa para todos os trabalhadores; conseguirem oferecer uma série de coisas para suplementar os salários baixos dado pelo Estado.
 Neste caso, sendo uma instituição do Estado, eles conseguiram criar estes e outros suplementos para melhorarem as vidas dos trabalhadores. Também conseguiram criar dentro da rádio toda uma série de oficinas, para manter a rádio a funcionar. Sabemos que na altura não seria fácil importar coisas. Também os custos eram muito altos. Conseguiram fazer coisas dentro da rádio. Tinham uma construtora civil. Fizeram a mudança de uma rádio club de Angola para o que hoje chamam CEFOJOR, como Rádio Escola. Aquilo foi feito. Foi necessário levantar quase toda uma empresa de construção civil para fazer isso dentro da rádio. Também tinham uma oficina para tratar dos veículos, e tê-los em condições para fazerem as reportagens. Conseguiram criar um cabo. Isto foi no tempo de Mogas que era o segundo Director da Rádio Nacional. Conseguiram construir o cabo que ligava todas as rádios do território numa cadeia nacional. Isso foi uma coisa construída e conseguida dentro do país com a tecnologia e o conhecimento dos angolanos, e isso não foi pouca coisa. Eles tinham que criar oficinas para poder ter mobílias, para poder acertar uma máquina e outras coisas estragadas. Naquela época, não podiam enviar as coisas para fora porque era muito caro, e não poderiam depender de empresas privadas porque não existiam. É nesse sentido que eu digo que foram uma instituição que funcionou altamente bem. Sempre entregaram os relatórios anuais, conseguiram fazer coisas dentro do orçamento disponível. Neste sentido funcionaram muito bem.


Ok. Estamos em conversa com a professora Marissa Moormam da Universidade de Indiana, a conversa é a propósito do seu último, “Powerful Frequencies:  Radio, State Pawer and the Cold War in Angola”. A outra questão que segue é sobre o seguinte: se pode resumir o seu livro (é um risco, claro), como sendo a compreensão da rádio no contexto colonial e pós-colonial como aparelho ideológico do Estado?
Não é só isso. Eu trato de propaganda através do livro todo, mas eu também estou interessada, naquilo a que nós chamamos nas lides académicas de desagregar o Estado. Quer dizer, as pessoas também constroem o Estado, significa que compõem o Estado e que têm uma influência e que nem sempre é tudo igual e homogéneo dentro de um Estado. Isso é importante para ter em conta nas nossas análises.
A questão ideológica também é analisada, mas vejo-a de uma maneira mais complicada. Não é sempre a mesma coisa. Claro, a questão ideológica é importante, sobretudo para os partidos que controlam o Estado, mas nem sempre eles conseguem fazer aquilo que eles querem. É importante destacar isso. Trato todos estes lados. Quais são as fraquezas, não só da ideologia em si, mas também, da maneira de transmitir isso, e tento também retratar as pessoas como ouvintes, como pessoas sofisticadas. As pessoas sabem muito bem ler entre linhas, por exemplo, ouvir entre linhas no caso da rádio. É tudo isso que faz parte deste livro e do meu argumento sobre a importância e a significância sobre os conteúdos da rádio.


É possível estabelecer um ponto de convergência ou uma espécie de continuidade entre o seu livro “Intonations” e o “Powerful Frequencies”, ora, do livro anterior e este novo?
Sim, tem certas conexões e também tem certas divergências. Bom, vou começar como é que eu iniciei a estudar a rádio. Tudo isso foi a influência da pesquisa que fiz sobre os músicos no tempo colonial. Músicos dos anos 60 que falaram muito sobre a importância da rádio no tempo colonial como uma maneira e como um caminho de divulgação das suas músicas. Quer dizer, eles viam muito bem que a emissora oficial, neste caso, e sobretudo o programa “Voz da Angola”, era um programa de contra subversão, mas eles usavam este meio para poder promover as suas músicas. Também aproveitavam das suas capacidades para criar ligações entre as pessoas nos clubes e nos quintais; transmitiam um sentido da angolanidade, quer dizer que era algo contra o Estado colonial e contra administração e governação colonial. Mas eles usavam a rádio do Estado colonial, a Emissora Oficial da Angola e Voz da Angola para promover essas músicas, para divulgar estas músicas, os músicos e não só. Outras pessoas dos anos 60 e 70 falavam-me muito da importância, sobretudo do Angola Combatente e de ouvir as rádios Moskovo, Voz da América, France Internacional e Deutsche Welle. A partir então, comecei a interessar-me no papel da rádio e obviamente as pessoas contavam-me histórias tais como: era necessário se esconder para poder ouvir Angola Combatente, que também achei super interessante. Tudo isto foi uma introdução que realmente os músicos deram-me sobre a importância da rádio no tempo colonial e pós-colonial. E foi por causa disso que comecei a interessar-me no estudo da rádio. Há esta ligação entre o “Intonations” e o “Powerful Frequencies”, mas o Powerful Frequencies toma outro lado: a importância que ponho no Estado por várias razões.
No meu primeiro livro estava interessada no que chamamos história social. Foquei-me  nas experiências e na história oral, quer dizer, as experiências dos angolanos no tempo colonial. Agora, neste segundo livro sobre rádio, foco mais no Estado por várias razões. Porquê? Eu acho que a política no século XXI em Angola faz-nos voltar a estudar o papel do Estado, a concentração de poder no escritório ou no gabinete do presidente, feito no tempo do Presidente José Eduardo dos Santos. É uma questão super importante. Para puder entender isto é preciso estudar o Estado historicamente, sobretudo no fim do tempo colonial e no tempo colonial tardio, e também logo depois da independência. Nós temos muito pouca história sobre o Estado logo depois da independência. O que nós temos são ideias, mas não temos nada; não temos uma historiografia sobre este período e eu acho que isso é muito importante, então, tento fazer a minha pequena contribuição neste sentido. Como disse antes, queria também ter uma vista/análise mais complexa sobre o Estado e tentar desagregar o Estado. O que é o Estado, qual é o papel das pessoas que trabalham no Estado e como é que vemos isso e podemos ver a relação entre uma pessoa que trabalha num Ministério ou na Administração, um escritório do Estado e a relação entre estas pessoas e as políticas do Estado em si.


No livro, a Marissa fez referência ao facto das pessoas terem medo de ouvirem emissões radiofónicas vindas de fora no período colonial. Mas também o próprio governa de então manifestou-se preocupado com essas emissões de fora. O livro também faz referência ao medo de ouvir a rádios externas, como é o caso da Voz da América, já no Estado pós-colonial por parte do povo independente?
MM - Não tanto. Ouvi menos isso. Não foi uma área central da minha pesquisa. Na questão da Rádio Vorgan, passei muito tempo a tentar entender qual era o papel da Rádio Vorgan. Foquei-me mais nisso e eu sei que as pessoas também ouviam as rádios e houve, como disse, esta audição sofisticada dos angolanos tanto quanto no tempo colonial do que no tempo pós-colonial. Quer dizer que as pessoas sabiam muito bem o que é o Estado emitia. Procuravam outras fontes de informação. Houve até outras pessoas que juravam (eram membros do MPLA ou partidários) que diziam-me que eles também sintonizavam a Rádio Vorgan só para ouvir outro ponto de vista. Acho que isso é importante. No meu ponto de vista, o facto é que as pessoas são muito sofisticadas na sua maneira de procurar informação de vários lados.


DC - Estamos a chegar ao fim. Marissa, em síntese quais são as ideias que o leitor que acaba de ler o seu livro, gostaria que captasse (é óbvio que estou aqui a pedir um exercício complicado de sínteses) mas pode? É possível dizer que gostaria que os angolanos em particular soubessem o que eu quero transmitir é isso e aquilo?
É. Vou enfatizar uma temática que ainda não falei directamente. É uma coisa muito importante que eu trato em quase todos os capítulos do livro. Isso é em relação a rádio como tecnologia, como media e rádio como conteúdos. Muitas vezes nos concentramos demais nos conteúdos da rádio, em vez de pensar no contexto de como é que nós ouvimos e qual é o papel da rádio como tecnologia; e qual é, e como é que as pessoas vão ou ficam sem ouvir a rádio, portanto, isso é importante se nós não virmos a rádio só como conteúdo ou vemos como texto. Eu acho que estamos a perder muito o facto da audição da rádio ser uma máquina, às vezes pequenas, às vezes grande é muito importante. E é uma coisa que eu trato com muito interesse. Entender como é que o som funciona, como é que as pessoas ouvem a rádio, qual é a importância das ondas electromagnéticas de rádio, o efeito que isto tem e o significado que as pessoas dão a rádio.


Para terminar, gostaria mais uma vez de agradecer a disponibilidade. de Mariza Moorman para falar sobre o seu último livro relativamente a história da rádio em Angola: Powerful Frequencies:  Rádio, State Power and the Cold War in Angola (1931- 2002). Espero que estejas disponível nas outras ocasiões.
Obrigada pela atenção.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: