Luanda - RESPOSTA AO COMUNICADO FINAL DO CPJ NA REUNIÃO DE PREPARAÇÃO DA V ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DE BALANÇO E RENOVAÇÃO DE MANDATOS.

Fonte: Club-k.net


Saudações patrióticas nobre Jovens...

"A Juventude deve defender a paz, defender a liberdade, a democracia e a reconciliação".

JOÃO LOURENÇO - PRESIDENTE DE ANGOLA


Venho denunciar publicamente o desenrolar sobre um assunto e que acredito ser de interesse comum para os jovens angolanos (FRAUDE + AMIGUISMO + NEPOTISMO) no CPJ de Luanda com apoio de alguns dirigentes máximos da JMPLA da Província de Luanda.

Desta forma, começarei por levantar alguns pontos que realçará a nossa interação:

1. Se o GREJA não é uma associação membro efectivo do CPJ de Luanda, porque foi contemplada com aproximadamente 30 moradias em distribuição pelo CPJ de Luanda. Quando as mesmas foram destinadas para as associações membros. Ou então decorreu sobre esse processo um seleção viciosa e acção corrupta, aonde ouve beneficiados conforme o interesse pessoal?.

Dessa forma demonstram que não tiveram uma gestão transparente e inclusiva.

2. Se o GREJA não é membro efetivo do CPJ de Luanda, porque os seus Líderes foram galardoados na recente Gala de Homenagem organizada pelo CPJ de Luanda no Hotel Diamante, se era apenas direccionada aos líderes das associações afectas á essa organização?.

São pontos soltos e apontam que têm feito uma governação musculada baseando-se no AMIGUISMO, nepotismo e compadrio e facilitando assim na distribuição dos benefícios, usando dinheiro público.

Outra reflexão não menos pertinente, é:


- Como é possível quem não participa nas actividades, mais tem estado em alguns encontros do CNJ e respetivamente do provável CPJ?.

E ainda mais, será que as associações notificam-se automaticamente?No entanto, necessita-se das notificações enviada da vossa parte para a participação em reuniões e que o GREJA não respondeu a chamada.

4. Se pretendemos levantar questões sobre pagamentos de quotas, pensemos o seguinte:


- O Associtivismo é voluntariado. E o que deve se fazer é sensibilizar as organizações a participarem e principalmente numa fase como essa em que o nosso país está a atravessar momentos difíceis do ponto de vista econômico e financeiro. E apartir daí estudarem mecanismos e formas para os pagamentos das quotas dos seus associados. Pense bem! porque agora serás obrigado a fazer uma gestão financeira transparente e com lisura começando pela prestação de contas e esclarecimentos:


As quotas definidas é equivalente a 100 USD/AKZ por Organização. Quantas associações estão cadastradas e quantas pagaram as quotas?


Entretanto, quanto é que o CPJ arrecadou nos últimos 2 anos? E afinal de contas que comparticipação financeira o CPJ recebe do GPL e como tem sido alocado essas verbas?

Apenas levo estes pequenos pontos para reflexão atenta, serena e responsável. Agora saberemos quem nos dirige!


Para os meus camaradas da JMPLA:

Ilustres camaradas, eu também sou MILITANTE DO MPLA desde o dia 24 de Abril de 2013, obedeço os estatutos e regulamentos próprios. Mas é triste saber que ainda sou interpretado como alguém pertencente á um Partido da oposição pelo simples facto de ter um posicionamento diferente dos meus camaradas e que por sinal não conseguem interpretar a visão periférica e estratégica do nosso Partido e do Líder João Lourenço. Meus camaradas da JMPLA, o CNJ ou CPJ, não é JMPLA. Saibam separar as instituições e deixem os outros trabalharem a vontade. Não tendo ética enquanto políticos, demonstram que não estão em condições de liderar a JMPLA.


O CPJ de Luanda é um instrumento para discussão e resolução de conflitos entre os jovens de Luanda, e aonde a JMPLA é parte integrante como qualquer outra Organização em pleno gozo dos seus direitos. Neste caso, deixem de pensar que o CPJ é uma estratégia do nosso partido MPLA, mas sim do Governo de Angola por esse facto existe diferença significativa em todos os pontos dos documentos reitores . O CPJ é para todos os jovens sem distinção ou exclusão devido a cor partidária, e ou outros.

Portanto Camaradas Dirigentes da JMPLA na Província de Luanda, que acabaram por perder o meu respeito e consideração, deixem de interferir nos assuntos de uma organização que por sinal está acima da nossa JMPLA. Respeitemos as instituições!


Camarada Hemingarda Fernandes, Primeira Secretaria Províncial da JMPLA de Luanda; Lourenço Luís Domingos e outros, tenham ética e saibam se posicionar. Dessa forma estão a desgovernar e por isso fazem falar mal do MPLA. Perdem algum tempo dizendo não sou do MPLA, apenas por mostrar vontade em concorrer com o Isaías Calunga que por sinal não é seu nome verdadeiro, ao Cargo de Secretário Executivo Províncial de Luanda do CPJ e pelo facto de ser vossa cobaia. Isso não pode pôr em causa a minha militância no MPLA e muito menos vos elevar a pensar que a definição do meu futuro enquanto profissional, académico e político depende de vocês. Deixem de dizer que estou conotado no Partido, e esse vosso espírito fomenta o divisionismo, sustenta a exclusão, intriga e a separação.

Aprendam a fazer política!


Meus camaradas, a política é um clássico e quem desaprendeu deve deixar quem sabe prosseguir com a caminhada. Até porque estamos melhor preparado e dado o facto vamos concorrer e se acham que vão vencer, deixem a disputa fluir.

Por outra, não usem mais o nome do MPLA para satisfazer e salvaguardar vossos interesses pessoais e inconfessos porque o MPLA é de todos nós. Deixem tambem de usar os benefícios dos jovens(habitação) para fazerem refém os mesmos. As casas estão a ser distribuídas dentro das políticas do executivo precisamente nesta fase em distribuição para Luanda. E ainda precisamos saber quem concretamente são os beneficiados ou contemplados porque vocês demonstram ser anti-patriotas e fraudulentos?

Essas casas não são propriedades vossas. É do Estado destinada aos jovens.

Sejam mais criativos porque a política em Luanda precisa da vossa dedicação. Não percam tempo com assunto que não vos diz respeito, sob pena de decretarem a vossa incompetência.

Tornaram o GREJA grande e agora vamos dirigir o CPJ de Luanda, para saberem que é possível governar de forma inclusiva e fazer uma gestão participativa, clara e sem vícios.

A minha JMPLA terá o seu acento, como qualquer outra Organização em pelo gozo dos seus direitos. Acreditem!

Vos desafio a suspenderem o GREJA e desde já declaro aberta a nossa Campanha Rumo ao CPJ de Luanda.


GREJA
RESTAURAR E VALORIZAR A CULTURA ANGOLA


Subscrevo-me:

Mauro Adriano Fernando Mendes - Secretário Executivo Províncial de Luanda do GREJA

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: