Luanda - Por todo o país assistimos de um tempo a esta parte, a acções de carácter humanitário, em resposta ao apelo do Chefe de Estado ao drama da seca, que assolou e agora em menor grau, os nossos compatriotas, de várias regiões do país. Fenómeno cíclico que afecta o Leste e o extremo sul de Angola, foi prontamente contrariado, em parte,  por uma vibrante e espontânea onda de solidariedade de vários quadrantes da sociedade angolana, incluindo as comunidades diplomáticas, empresariais, religiosas, desportivas e outras, num cordão humanitário impressionante, que há muito não se via no país.

Fonte: Club-k.net
 
Com estas acções, o sofrimento das populações, acreditamos, foi minimizado, a julgar pelo número de doacções. Até agora, apesar de satisfeitos, com a onda humanitária, que se estendeu à quadra festiva com outros actos de solidariedade, incluindo os que foram promovidos pela família presidencial, no âmbito da quadra festiva, com incidência para os mais pequenos de várias origens e instituições de acolhimento, num momento especial de ternura e carinho.  


 
Até agora, dizíamos, a onda de solidariedade continua a fazer-se sentir e é bom que a sociedade reaja pela positiva, com acções que impeçam, por exemplo,  que a comida pronta das grandes superfícies comerciais, vá todos os dias para o lixo e tenham como destino, o estômago vazio, daqueles que nos semáforos das nossas avenidas estendem a mão à caridade, pedindo uma gorjeta em nome da fome.

 
O efeito boomerang que se fez sentir em várias instituições, que seguiram o mesmo gesto, oferecendo aos mais carenciados, bens de primeira necessidade faz parte de uma vigorosa campanha, que mobilizou o país inteiro, merece realce de primeira página, pois, todos os angolanos e não só, estiveram unidos por uma causa comum, que permitiu pôr a funcionar o altruísmo, que mora nos nossos corações.

 
Precisamos para maior tranquilidade, de certificar agora a forma como as toneladas de bens foram distribuídas, e para quem, de modo a permitir a análise  e procedimentos futuros, com tempo e precisão adequados. É bom que se tenha uma percepção de como futuras ajudas podem e devem ser canalizadas aos beneficiários e, igualmente, a sua distribuição.
 
Para o efeito, não ficaria mal a constituição de uma ou mais entidades, com atribuições diversas, na prestação de assistência às populações carenciadas, tal como se verifica noutros países. Uma instituição que, a par da função humanitária congregasse igualmente o controlo  e assistência permanente às populações vulneráveis, com técnicas de reversão das carências, motivadas pelas alterações climáticas e outros desaires da natureza.


Para o efeito devem ser reforçadas as acções de assistência social permanente, formação de agentes com a missão de incutir o espírito empreendedor no seio das comunidades. Há uma iniciativa louvável ensaiada há tempos atrás pelo então Ministério da Reinserção Social, que é a Bolsa de Solidariedade Social, cujo impacto foi amplamente reconhecido pelos beneficiários, que tinham nela uma resposta para as suas necessidades básicas. É uma solução não suficientemente aplicada, que possui o condão de ter sido bem concebida, com base em pressupostos analíticos que respondiam às necessidades dos destinatários.
 
É necessário por exemplo, que se criem núcleos de pessoas com preparação, para  garantirem a assistência técnica às moto cisternas oferecidas pela Presidência da República, e se promovam acções de formação de agentes comunitários, com capacidade de resposta local dos problemas.
 
No fundo trata-se de conferir às populações conhecimentos de autogestão comunitária, capazes de oferecer soluções para as calamidades naturais, com bases técnicas e sustentáveis que diversifiquem o seu modus vivendi e operandi.
 
Trata-se de um apelo à criatividade, baseada no princípio elementar, que aconselha o recurso a meios próprios, que possam gerar trabalho e riqueza. A autossustentabilidade é chamada neste caso, a desenvolver papel fundamental.
 
 As comunidades rurais têm de se adaptar a conceitos sociais modernos,  que permitam desenvolver aptidões profissionais. O Estado na qualidade de gestor principal da coisa pública pode elaborar políticas que promovam a autosuficiência alimentar e outros meios de sobrevivência, sem alterar os usos e costumes das populações.
 
Mais  do que a onda de solidariedade dirigida aos desprotegidos da sorte são necessárias soluções, que levem as populações a participarem com o seu esforço e sabedoria, a contrariar os efeitos perniciosos da seca, cumprindo instruções e práticas para evitar o pior. Onde haja seca declarada, que se mobilizem meios para retenção de águas, para servir as vítimas e acomodá-las em zonas mais amenas.
A par disso as autoridades devem desdobrar-se em acções educativas e direccionadas aos centros de acolhimento preparados para uma assistência multidisciplinar  e de prevenção a sinistros como a seca e a outras depressões climáticas. Infelizmente a falta de programas específicos para prevenir cataclismos tem levado as populações a enfrentarem sozinhas as contrariedades do tempo.
 
Só quando a crise se acentua, é que se apela ao socorrismo, como forma de pressão às estruturas centrais do poder político, a lançarem mão de recursos financeiros extraordinários, que muitas vezes não são suficientes.


Vamos pensar como Lavoisier dizendo que na natureza nada se perde. Tudo se transforma!


ANDRÉ PINTO

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: