Luanda – A Associação Íris Angola, única associação LGBT angolana, queixou-se hoje que persistem no país a “discriminação, barreiras no ensino e violência contra a homossexualidade na adolescência”, aplaudindo, no entanto, a despenalização da homossexualidade no novo Código Penal.

Fonte: Lusa

“Quando digo que as barreiras persistem, estou a falar em termos da baixa escolaridade, o abandono escolar, a violência contra a homossexualidade na adolescência. Sim, persiste a discriminação e ela muitas vezes é acompanhada pela ignorância”, disse hoje à Lusa Carlos Fernandes, diretor da associação.


Segundo o responsável, no decurso de 2019, o universo LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) ganhou mais visibilidade dentro da sociedade angolana tendo participado de várias atividades promovidas por instituições nacionais e estrangeiras.


A associação, acrescentou, participou em vários projetos promovidos pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) sobre populações vulneráveis e conseguiu identificar algumas “barreiras estruturais que ainda existem dentro da sociedade”.


O novo Código Penal angolano, aprovado em janeiro pelo parlamento, e que aguarda por publicação, despenaliza a relação homossexual em Angola, garantindo que “ninguém pode ser penalizado por discriminação em razão da orientação sexual”.


Para Carlos Fernandes, diretor e cofundador da Íris, legalizada pelo Governo angolano em junho de 2018, a medida traduz-se num “passo bastante importante”, mas a associação continua à espera de “como será na prática”.


“Mas vimos como um passo de abertura de diálogo com outros setores do Governo que devem apoiar ou falar connosco para maior preparação e educação das famílias sobre LGBT”, notou.


A associação conta em Luanda com cerca de 300 membros e tem igualmente núcleos nas províncias angolanas do Huambo, Benguela e Huíla.


“Não conseguimos ir mais além por dificuldades financeiras”, atirou o dirigente da Íris.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: