Maputo - Em Moçambique, a CNE excluiu mais de 104 mil votos, aparentemente em mesas de voto com uma alegada afluência de quase cem por cento, uma decisão tomada em resposta a acusações de enchimento irregular de urnas de voto.


Fonte: VOA


Só em Tete foram excluídos 85 mil 693 votos, o que corresponde a 16 por cento do total. Mais flagrante foi o caso da Província do Niassa, onde o processo de correcção levado a cabo pela CNE acabou por dar mais dois deputados à Renamo.

 

A VOA falou com Ivone Soares, eleita deputada pela Província da Zambézia e porta-voz do gabinete central de eleições da Renamo. Uma conversa mantida com Filipe Vieira.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: