Luanda – Finalmente esta a se concretizar o plano macabro elaborado pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral do Cofre de Previdência do Pessoal da Polícia Nacional (CPPPN), o comissário geral Paulo Gaspar de Almeida, em pilhar o património dessa instituição pública castrense que antiga direcção arrecadou com tanto sacrifício e sapiência em conjunto com os seus associados. 

Fonte: Club-k.net

O Club K sabe que, então logo que tomou posse, o actual presidente do CPPPN, o superintendente-chefe Domingos Jerónimo, sob a orientação do comissário geral, colocou a venda os imóveis luxuosos (localizados em zonas nobres de Joanesburgo, África do Sul, e Cascais, em Portugal) que custam milhões de dólares a preço da igreja. Um dos quais já foi adquirido por um alto patente da polícia nacional.

A situação gerou uma onda de descontentamento, uma vez que a comercialização destes imóveis luxuosos não foi dado a conhecer a todos associados do Cofre de Previdência do Pessoal da Polícia Nacional e muito menos discutida em assembleia, como devia ser.

"Suspeitamos que estamos diante de pessoas que não percebem a importância desse património de todos nós", comentou um dos associados, triste com a situação.

Além desses imóveis que encontram na África do Sul e Portugal, a actual direcção pretende se desfazer igualmente do terreno onde se encontra erguida o "Ango-Chi Shopping", localizado no município de Belas, em Luanda, pertencente de igual modo o Cofre de Previdência do Pessoal da Polícia Nacional, encerrada pelo Instituto Nacional de Defesa do Consumidor a 05 de Setembro de 2013. 

De recordar que após a sua indicação pelo comissário geral Paulo de Almeida, para dirigir os destinos do CPPPN, o superintendente-chefe Domingos Jerónimo empurrou para o mercado do desemprego cerca de 70% trabalhadores (em regime de contrato de trabalho), num universo de mais de 130, em total desrespeito a Lei Geral de Trabalho em vigor.

A par isso, todos efectivos da polícia nacional que prestavam o seu saber naquela instituição mutualista foram remetidos a disposição da direcção nacional dos Recursos Humanos do Comando Geral. Enquanto que a maior parte dos trabalhadores civis, viram os seus contratos de prestação de serviço a serem reincididos sem quaisquer explicações.

Há quem acredita que Domingos Jerónimo esteja aproveitar-se das orientações do presidente da Mesa da Assembleia Geral, para se vingar de todos aqueles trabalhadores que eram próximo à direcção cessante (do comissário Luís Alexandre).

Dentre as suas vítimas, constam igualmente o antigo vice-presidente do CPPPN, identificado apenas por Lourenço, além dos trabalhadores mais antigos, como Santos e Cristina, que trabalham no CPPPN desde os anos 70 e 80 respectivamente. 

Agressões 

A onda de perseguições contra os antigos colaboradores de Luís Alexandre, resultou de igual modo em agressão física contra o assistente do Presidente do Conselho de Administração do Grupo C, de nome Wilson, por este ter recusado em abrir a porta do gabinete do seu chefe, que se encontra ausente.

O acto foi praticado pelo um subchefe da Polícia Nacional, identificado por Campos, a mando do actual presidente do CPPPN, ocorreu na presença dos demais trabalhadores, que manifestaram a sua indignação.

Sabe-se que após a agressão gratuita, o 'carrasco' Campos arrombou a porta do gabinete do PCA do Grupo C, subtraindo documentos importantes daquela empresa que presta serviço ao Cofre de Previdência do Pessoal da Polícia Nacional há vários anos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: