Lisboa - "Izabel Dosovna Kukanova", "Isabel José dos Santos" e "Santos Isabel". A empresária angolana usou três distintos documentos de identificação para entrar e sair de Portugal. Os dois primeiros nomes constam nos passaportes que detém - um russo e outro angolano, respetivamente - e o terceiro num cartão de residente do Reino Unido.

Fonte: JN

Tal como o JN adiantou ontem, a filha do ex-presidente angolano entrou na última quarta-feira em Portugal com passaporte angolano, vinda de Londres, capital britânica. Mas no regresso, anteontem, após uma estadia de menos de 24 horas para delegar poderes de representação nas suas empresas, apresentou-se no controlo alfandegário com o seu documento russo, onde se destacava o "Izabel".

 

O JN apurou, junto de fontes aeroportuárias e das autoridades, que a empresária usou há menos de três semanas documentos britânicos. Entre eles o "blue card" [cartão de residente].

 

Questionada sobre a existência de um alegado passaporte britânico, reportado ao JN, a Embaixada do Reino Unido remeteu explicações para o Ministério do Interior britânico, que recusou "esclarecer dúvidas sobre um cidadão específico".

 

Apesar de ter há dois anos uma mansão de 14 milhões de euros em Kensington, no centro de Londres, Isabel dos Santos rumou a esta cidade ainda criança com a mãe, Tatyana Sergeevna Kukanova - que o consórcio do "Luanda Leaks" apontou como estando ligada ao negócio dos diamantes e detentora de uma conta no HSBC de 4,5 milhões de dólares.

A eurodeputada Ana Gomes lembrou, esta semana, sobre os seus tempos como adida na Embaixada de Portugal em Londres, que a empresária angolana fez todo o seu percurso escolar em Londres.

Cartões de crédito travados no aeroporto

Há três semanas, quando já tinham sido arrestados os vários bens que tem em Angola, Isabel dos Santos terá visto dois dos seus cartões de crédito invalidados no balcão de uma transportadora área, apurou o JN. Acabou por adquirir uma passagem diretamente num balcão "Premium" com outro método de pagamento.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: