Lisboa - O presidente executivo do CaixaBank rejeitou hoje em Valência, Espanha, a possibilidade de haver qualquer tipo de custo reputacional para o grupo dono do BPI pela proximidade a Isabel dos Santos.

Fonte: Lusa

"Penso que não há nem deve haver qualquer custo reputacional", realçou Gonzalo Gortázar na conferência de imprensa em que apresentou os resultados de 2019 do grupo bancário.


O dirigente bancário recordou que o BPI tem 48,1% do BFA (Banco de Fomento de Angola) que é controlado maioritariamente pela Unitel que tem 13 dos 15 administradores do banco angolano e que acaba de renovar a sua administração, assim como o seu presidente e presidente executivo.

 

A Unitel tem três acionistas: Sonangol (50%), Vidatel (controlada por Isabel dos Santos, 25%) e a Geni (do general Leopoldino Fragoso do Nascimento, 25%).

 

Questionado pela agência Lusa, Gonzalo Gortázar disse que o grupo não tem qualquer interesse na aquisição dos 42,5% que Isabel dos Santos detém Eurobic, posição que a empresária angolana vai vender, na sequência do processo 'Luanda Leaks'.

 

O grupo CaixaBank obteve lucros de 1.705 milhões de euros em 2019, uma diminuição de 14,1% em relação a 2018, com a filial portuguesa (BPI) a contribuir com 332 milhões de euros para estes resultados, um aumento de 26,7% em relação à transferência feita um ano antes que tinha sido de 262 milhões de euros.

 

O negócio bancário e segurador contribuiu com a maior parte do lucro do grupo espanhol, com 1.060 milhões, enquanto o BPI contribuiu com 332 milhões e as empresas participadas com 313 milhões (entre elas 46 milhões de dividendos do BFA).

 

Gonzalo Gortázar também fez uma referência aos resultados de 2019 apresentados na quinta-feira em Luanda pelo BFA.

 

"Trata-se de um banco magnífico que foi desenvolvido no passado pelo BPI, mas que continua a apresentar bons resultados e a ser líder em Angola", disse o presidente executivo do CaixaBank, acrescentando ter "confiança" em como o novo conselho de administração e as alterações decididas "nos últimos dias" vão permitir continuar o bom trabalho.

 

O BFA anunciou um resultado líquido positivo de 344,5 milhões de dólares (312,4 milhões de euros) em 2019, uma quebra de 51,5% face ao ano anterior.

 

O banco angolano "continua a ser um investimento rentável, onde queremos diminuir a nossa participação, como já foi anunciado, mas sem nenhum horizonte temporal", concluiu Gonzalo Gortázar.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: