Lisboa - Uma corrente de generais reformados das Forças Armadas Angolanas (FAA) que se identificam como “devendo a sua carreira” a José Eduardo dos Santos (JES) contactou, recentemente, o ex-chefe da Casa de Segurança, Manuel Hélder Vieira Dias Júnior, no sentido de expressar a sua vontade de programar uma deslocação a Barcelona, para uma visita de cortesia ao antigo Presidente da República, que se encontra nesta cidade espanhola por motivos de saúde.

Fonte: Club-k.net

A mensagem transmitida a “Kopelipa” é de que os antigos oficiais sentem que nesta fase de “turbulência judicial” virada contra a sua família, o antigo Presidente deverá num desconforto psicológico prejudicial para a sua saúde, pelo que entendem que seja merecedor de uma visita. “Kopelipa” que está em vias de deslocar-se a Barcelona, comprometeu-se em fazer chegar a mensagem ao destinatário e saber deste se está ou não interessado em receber antigas patentes militares que o serviram no passado.

 

Desde que deixou o poder em 2017, o antigo Presidente José Eduardo dos Santos passou a viver num quadro de isolamento e sem amigos, confinado na sua residência privada no Miramar, em Luanda. Antes de partir para Barcelona em tratamento, recebeu visita do general Higino Lopes Carneiro. Dias antes de partir, também recebeu o Presidente João Lourenço que tentou demove-o da ideia de prescindir dos seus direitos que o Estado de ex-Chefe de Estado lhe confere.

 

Já uma corrente de antigos colaboradores revelam uma conduta de não serem associado a sua pessoa. O antigo ministro da segurança de Estado e ex-SG do MPLA, Julião Mateus Paulo “Dino Matross”, é entre os correligionários de JES que mais se manifesta magoado por aquilo que entende ser forma que as novas autoridades tem dado tratamento ao antigo Presidente. Em privado, quando questionado se tenciona ir a Barcelona visitar JES, faz transmitir que “não vai” para evitar supostas conotações.

 

Um outro antigo colaborador, Aldemiro Justino Aguiar Vaz da Conceição, que durante muitos anos serviu como porta-voz do palácio presidencial, é também identificado com a mesma conduta de distanciamento ao antigo Presidente. Reabilitado por Lourenço para dirigir o Gabinete de Acção Psicológica e Informação da Casa de Segurança, o sinais mais visível de distanciamento de Vaz da Conceição para com JES, foi sentido em Novembro de 2018, quando declinou uma convocatória para se fazer presente na sede da FESA para ajudar a compilar o esclarecimento de uma replica do antigo Presidente, a acusações de que teria deixado os cofres do país “vazios”. Aldemiro, aproximou-se também a família de Lourenço por via de uma irmã do novo Chefe de Estado, de nome Edith Lourenço Catraio.

 

O distanciamento em relação a JES - que alguns tem desenvolvido - é interpretado como reflexo do que aconteceu no último congresso extraordinário do MPLA, em que o antigo SG Álvaro de Boavida Neto foi prematuramente afastado por dizer publicamente que não iria estar “contra o camarada José Eduardo dos Santos”.

 

Gestos opostos foram verificados em Ernesto Manuel Norberto Garcia que, em Dezembro passado, comunicou ao actual Presidente João Lourenço que se deslocaria a Barcelona para fazer uma visita ao antigo chefe de Estado.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: