Luanda – Os dirigentes do regime anterior de José Eduardo dos Santos que fizeram tabua raza ao discurso do Presidente da Republica, João Lourenço quando falava na qualidade de líder do MPLA, ao congresso extraordinário que no programa de combate a corrupção "não desistiremos ainda que os primeiros a caírem forem dirigentes destacados do MPLA". Os que ignoraram começam a sentir o peso da profecia.

Fonte: Club-k.net

A muito se esperava um inventario total esclarecedor ou mesmo uma busca no ministério do trabalho e segurança social mormente na sua fonte de enriquecimento ilícito, o Instituto Nacional de Segurança Social (INSS) dirigido a mais de 25 anos pelo ministro Pitra Neto que de tanto tempo permaneceu desconhece-se a quem este terá substituído.

 

O ministro Antônio da Costa Pitra Neto terá gerido o INSS como se de sua propriedade se trata-se, este instituto se fosse bem gerido seria o mais poderoso do país em termos de reservas financeiras e com maior possibilidade de intervenção quer seja no mercado bancário ou de seguradora bem como da vida econômica do país, em geral. Porém, consta que o INSS foi durante anos fonte de enriquecimento do ministro Pitra Neto com os fundos adquiriu um parque imobiliário no exterior do país (Pentahouse no Estoril, Portugal) e dentro do país, quanto menos, os menos atentos achavam que estes bens eram pertenças do Instituto, hoje chega se a conclusão que o referido patrimônio erguido entre condomínios e edifício está na esfera privada do ministro Pitra Neto.

 

Em boa altura, o Presidente da Republica ordenou através do despacho presidencial 20/20 de 17 de Fevereiro a abertura de um inquérito para reavaliar o patrimônio do INSS, num claro formato de uma sindicância.

 

Os prédios que servem de centro de sapiência para qual tem estado a convidar determinadas entidades, conferencistas, nacionais e estrangeiros foram construídos com dinheiros públicos porém, passa a mensagem que é patrimônio privado.

 

Assistimos hoje uma pressão gritante dos pobres pensionistas que ao longo de anos, trabalharam na função pública e descontaram, para a segurança social com o intuito de nos últimos anos da sua vida tivessem uma garantia de segurança social. Estas pensões que nunca conheceram aumento substancial que melhorasse a vida dos assistidos, porém viram, o ministro a subir no raking da acumulação do patrimônio privado a custa deste instituto.

 

A corrupção, os desvios de bens públicos para a esfera privada é um mal que destrói nações em toda sua dimensão humana, social, estrutural, inibidor do desenvolvimento sustentável, foram os corruptos dos nossos dias que deixaram o país num estado calamitoso cujas consequências são sobejamente conhecidas entre os angolanos, onde uns ficaram com as grandes centralidades do zango, escola, creche caminhos de ferros, fundos do BNA etc, etc, com os quais realizam casamentos faraônicos para os seus descendentes em detrimento da pobreza de milhões de angolanos.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: