Menongue – Milhares de pessoas invadiram, logo pela manhã, na terça-feira, 25 de Fevereiro, o campo 23 de Março, localizado nos arredores da cidade do Menongue, para um único objectivo: ver os grupos carnavalescos a desfilar e espalhar alegria e os artistas locais, típico da maior festa popular. Os presentes (crianças, jovens e adultos) só abandonaram o recinto, quase ao cair da noite, após o corpo do júri anunciar os vencedores.

Fonte: Club-k.net
Manhã do céu azul e o sol a dar o ar sua graça. Os efectivos da polícia nacional e dos demais órgãos do Ministério do Interior, já se encontravam no local para garantir a segurança aos grupos carnavalescos e a população que vinha caminhando longas distâncias para participar na maior festa cultural do país.

Os grupos começaram a chegar por voltas das 9 horas, juntamente com os seus apoiantes, espalhando sorrisos rasgados e olhares esperançosos (e de incertezas) ao longo da caminhada que se traduzia, literalmente, num pré-desfile.

Mas, apesar das faltas de condições financeiras e de apoios para os participantes afinarem as suas indumentárias e objectos de músicas, como batuque e outros instrumentos musicais, houve danças, canções e alegria no ar. O que faltou talvez não fez muita falta, por razões sobejamente sabido. A gritante crise económica que o país atravessa.

A actividade começou quase 12 horas. Inicialmente, foram chamados os grupos infantis. O grupo carnavalesco “23 de Março”, do município do Cuito Cuanavale, foi o primeiro a entrar no palco com o mesmo nome. O segundo foi o grupo ‘Esperança da Paz’, da Boa Esperança, a seguir o ‘Upite Wabungue’, ‘Tchipompo’, ‘HIV/SIDA’, ‘União Lágrimas do Povo’, entre outros. 

Quanto na categoria de adultos, participaram apenas quatro grupos, contra dez que estavam previstos, nomeadamente: ‘União Mbongue Ya Kandjema’ do município do Cuchi, ‘Simpa Mbungue’ do município de Menongue, ‘Mingolo do Bairro Saúde’ e ‘União 11 de Novembro’.

No final, o corpo de Júri presidido por Miguel Américo Tchissingue, elegeu o grupo carnavalesco ‘União Mbongue Ya Kandjema’ como vencedor da edição 2020, na província do Cuando Cubango, na categoria de adultos em dança tradicional, com 458 pontos, tendo levado como prémio, 500 mil kwanzas.

Nas posições imediatas ficaram os grupos ‘Simpa Mbungue’, capital da província, com 366 pontos e ‘Mingolo do Bairro Saúde’ com 328, tendo recebido como prémios, 400 e 300 mil kwanzas, respectivamente. Já na categoria de dança moderna na classe de adultos, sagrou-se vencedor o grupo ‘União 11 de Novembro’, único concorrente na categoria.

Na classe infantil, o corpo de júri atribuiu o prémio de vencedor ao grupo de dança tradicional ‘Upite Wabungue’ com 441 pontos, seguido pelo ‘Tchipompo’ com 269 pontos. Verdade seja dita, o grupo vencedor mereceu o prémio, tendo em conta a forma como se apresentou no palco. Os membros deste grupo arrancaram aplausos demorados ao público em geral.

Na categoria de dança moderna, arrebatou o troféu o grupo carnavalesco ‘23 de Março’ do município do Cuito Cuanavale com 445 pontos, seguido pelo triunfo ‘HIV/SIDA’ com 401 pontos e ‘União Lágrimas do Povo’ com 355 pontos, levando como prémios, 500, 400 e 300 mil kwanzas respectivamente.

Em declarações à imprensa no final do acto, o rei de Menongue, Muangana Vunonge VIIIº, (Manuel Dala), fez uma apreciação positiva, tendo enaltecido o esforço do governo provincial e do Ministério da Cultura para o êxito do evento que visa enaltecer os valores culturais e não só.

Disse que o nível de apresentação correspondeu a expectativa, apesar de reconhecer a diferença entre o desfile que se faz actualmente comparativamente aos tempos anteriores, em que no seu entender o maior destaque recaia principalmente no estilo tradicional que vem sendo “engolido” pelo estilo moderno.

Perspectivou que nas próximas edições deverão granjear maior atenção ao estilo de dança tradicional, por formas a incutir nas novas gerações os valores da ancestralidade local, por meio de encontros entre as autoridades tradicionais e a juventude, incluindo membros dos diferentes grupos carnavalescos.

O Carnaval que foi testemunhado pelo governador Júlio Bessa, ladeado dos seus vices, administrador municipal de Menongue, Júlio Vidigal, entidades culturais e outros convidados, contou com a participação de 14 grupos, sendo 10 infantis e quatro adultos, menos sete em relação ao número de grupos inicialmente inscritos.

EXIBIÇÃO DE MÁSCARAS TRADICIONAIS

Antes da realização do carnaval, a direcção da cultura no Cuando Cubango retomou – na segunda-feira, 24 de Fevereiro – a apresentação de mascarados tradicionais (Tungandzi) à população de Menongue, como forma de incentivar as novas gerações a valorizarem, cada vez mais, a cultura regional.

Foram no total 16 palhaços que, cada um ao seu ritmo, exibia a sua dança que demonstra as raízes da tradição daquele povo, uma acção cultural que teve a duração de mais de quatro horas, e que contou com as presenças do governador da província, Júlio Bessa, e outros membros do seu pelouro.

O coordenador adjunto da comissão local organizadora do Carnaval, Afonso Rafael Dala, enfatizou que a exibição visa igualmente a divulgação histórica da riqueza cultural. Para o também director provincial do Gabinete da Cultura, a realização desta exibição constitui um incentivo aos jovens para conheceram a cultura local, bem como a transmissão destes valores.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: