Menongue – Apesar da crise económica que assola o país em várias vertentes, o Executivo angolano, representado pelo Ministério dos Transportes, entregou recentemente novos autocarros de transportes públicos a cada um dos governos províncias (de acordo com as suas necessidades) a fim de facilitar a mobilidade das populações locais. Particularmente, a província do Cuando Cubango recebeu cerca de 17 meios. Até aqui tudo bem.

Fonte: Club-k.net
Aquando da entrega dos respectivos meios, o Ministério dos Transportes, através da Direcção Nacional do Património, alertou aos governos províncias sobre a nova modalidade de selecção das empresas beneficiárias.

Quer dizer, se antes os governos distribuíam ao seu critério, agora devem faze-los através de um concurso público à luz da Lei dos Contratos Públicos. E as empresas concorrentes devem possuir um perfil digno, ou seja, não serem devedores, uma vez que o Executivo pretende reaver os valores (que são milhões de kwanzas) que lhe é devido pelas empresas que se beneficiaram dos meios rolantes anteriormente.

No caso particular do Cuando Cubango, o Club-K sabe que – entre 2009 e 2012 está província recebeu um total de 114 autocarros de marca Blue Bird e 22 viaturas ligeiras Volkswagen Polo – os meios terão sido distribuídos a 14 empresas privadas e a pessoas singulares, de uma forma desonesta, em clara violação da Lei da Probabidade Pública.

Segundo apurou este portal, dentre as empresas beneficiárias, desses meios, constam as da ex-directora provincial dos Transportes, Telecomunicações e Tecnologias de Informação, Maria de Fátima Carlos, do ex-director do gabinete dos Antigos Combatentes e Veteranos de Pátria, Lucas Manuel Cassela “Tchinjengue”, do ex-director do Gabinete de Cultura, Turismo, Juventude e Desportos, Manuel Franessa e aos demais (na foto).

Em Agosto de 2017, o Executivo angolano - mesmo defraudado - voltou a disponibilizar, para Cuando Cubango, cerca de 25 autocarros a fim de reforçar o sector. Os meios foram entregues na altura pelo então secretário de Estado dos Transportes, José João Kuvingua, desta vez, a 13 empresas privadas (seleccionadas a dedos), dentre as quais as dos mesmos responsáveis províncias, em violação a lei acima citada.

O facto curioso é que, as empresas beneficiárias fizeram uso dos meios a seus bel-prazeres, sem, no entanto, honrarem com os compromissos assumidos com o fornecedor [o Ministério dos Transportes]. Ou seja, as tais empresas não pagaram (quiçá na totalidade) os valores exigidos por este aquando da celebração dos contratos. O Estado perdeu (de 2009 a 2017) milhares de kwanzas dos contribuentes no suposto investimento e a Procuradoria Geral da República local não tuge nem muge.

Mesmo assim, as empresas devedoras – dos mesmos indivíduos – pretendem a todo custo beneficiarem, novamente, da nova remessa dos autocarros de transportes públicos disponibilizados pelo Ministério dos Transportes a província, criando dificuldade ao novo governador (Júlio Bessa) que pretende, desta vez, fazer cumprir a Lei n.º 09/16, de Junho.

O Club-K soube que, em Março do corrente ano, o governo provincial prevê anunciar abertura do concurso público as empresas que almejam contemplar os novos meios rolantes, mas só poderão concorrer – segundo as orientações do Ministério dos Transportes – as empresas do sector que têm as dívidas liquidadas na totalidade (dos antigos meios adquiridos) e oficinas de reparação.

De acordo uma fonte do Ministério dos Transportes, as empresas beneficiárias – que sairão do concurso público – devem cumprir com os preceitos contratuais, assim como não especular o preço do bilhete de passagem, que rondará por volta de 100 kwanzas. Essas empresas deverão ainda reembolsar, inicialmente, ao fornecedor [Ministério dos Transportes] um valor de 58 milhões de kwanzas, por cada meio adquirido, por um período de dois anos.

Os novos autocarros, com capacidade para 90 passageiros, sendo 50 sentados e 40 de pé, vão funcionar com um sistema de bilhética electrónica e o monitoramento será feito a partir de uma gestão de base de dados. Os meios possuem elevadores de acesso para deficientes, permitindo que cadeiras de rodas possam entrar nos autocarros de forma automática.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: