Sumbe - “Se o camarada presidente João Lourenço não quiser ouvir as nossas preces e manter Job Capapinha a frente dos destinos da província do Kwanza-Sul, a mania de nós ganharmos sempre cinco à zero, vai reverter a favor do nosso opositor directo – disse o mais-velho Júlio Salvador na Kibala.

*Fernando Caetano
Fonte: Club-k.net

Nota-se claramente que há um ano e poucos meses a UNITA ganhou terreno sobre o MPLA fruto da inoperância verificada no comité provincial do partido dos camaradas onde as atenções de seus militantes está virada maioritariamente para ocupação de cargos de chefia na administração do Estado.


Bajulação, intrigas e divisionismo marcam o dia-a-dia no comité do MPLA cujos militantes e simpatizantes dizem estar agastados como o M está sendo dirigido.


“Até parece que estão a fazer de propósito. Acho que o MPLA agora se tornou num brinquedo para crianças. Já não interage com o povo como fazíamos antes. Só vemos a UNITA e, a dialogar com o povo, acho que de agora em diante as coisas são diferentes – lamenta de forma melancólica a anciã Helena Diamantino em Porto-Amboim.


Da Gabela no Amboim obtivemos depoimentos de Herculano Chita que diz ter sido militar das ex-FAPLA, passou a reserva e agora dedica-se ao empresariado.

 

Herculano diz sentir-se triste porque a sua Gabela que ontem foi propalada aos quatro ventos ser o local histórico que travou grandes batalhas para enfraquecer o inimigo e não prosseguir com a marcha para Luanda, hoje só resta nostalgia: “Peço a quem de direito que olhe pela Gabela. A Gabela está esquecida e cada dia que passa vai afundando mais e ninguém se presa a dizer alguma coisa. Nós como empresários já fizemos o suficiente, temos vontade de continuar a fazer pela nossa cidade mas, falta incentivo do governo, este que nem aparece - sustentou.


Herculano até pede uma administração mais idónea que se identifique com os problemas do município e dos munícipes.

O Club-K soube que Job Capapinha é um bom mobilizador de massas mas, só no movimento espontâneo com a realização de maratonas musico ou culturais.

Ele não interage com as massas, nem com as autoridades tradicionais, tão pouco com entidades religiosas e, há quem diz que o seu cinismo está a prejudicar o partido no poder por essas bandas.


O jovem Carlos Manuel é militante da JMPLA no município do Seles e diz mesmo ter saudades do antigo governador – referindo-se a Eusébio de Brito Teixeira “devido a forma como conseguíamos fazer política a nível de toda província. Era incrível com o general porque até outras forças políticas se curvavam perante a nossa hegemonia, o que está longe de acontecer com o actual secretariado provincial do MPLA - disse.

“A UNITA no Kwanza-Sul tem Armando Kakepa, um verdadeiro fenómeno na mobilização de massas e, é de tirar o chapéu. Duvido que o Capapinha chegue a seus pés. Digo isso porque mesmo nas reuniões que temos tido a nível do partido, não se consegue perceber o que ele quer do partido e da província. Uns putos que estão no secretraiado provincial é que lhe dão icdeias e acreditem que o MPLA está a cair fundo – lamentou um dos membros seniores do MPLA que pedíu anonimato”.


A dona Kâmia é miltante da OMA há mais de trinta anos, é natural e residente no Gungo.

Ela diz ter conhecido governadores e 1ºs secretários do MPLA citando: Paulo Luís Dokui de Castro, Armando Dembo, Aurélio Segunda, Ramos da Cruz, Higino Carneiro, João da Silva, Serafim do Prado e Eusébio Teixeira mas, “ Já passa um ano desde que oiço falar de Job Capapinha como nosso chefe mas, deixa-me falar a verdade: não lhe conheço – ironizou.


Do périplo que o Club K fez em oito dos doze municípios da província aferíu que o MPLA está bastante fraco em relação aos anos anteriores e, duvida-se muito que desta vez haja os cinco à zero.


Alguém nos confidenciou em Calulo Libolo, que desta vez no Kwanza-Sul será: três UNITA, um PRA-JÁ e com sorte um MPLA.


No MPLA do Kwanza-Sul persiste a mania de um chefe de departamento de alguma direcção como DAF, DIP, DAD, DAPE e mais, ser igualmente director de um gabinete provincial a nível do governo provincial. O único que se contenta com o cargo que ocupa é o 2º secretário provincial. Fernando Caetano.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: