Ondjiva - As farmácias de referência da cidade de Ondjiva, província do Cunene, estão sem álcool em gel para atender a procura de cidadãos ávidos em cumprir com as regras de prevenção do novo coronavírus (COVID-19).

Fonte: Angop
Numa ronda feita nesta segunda-feira, notou-se grande procura de produtos de higienização das farmácias por parte dos cidadãos, em especial do álcool em gel.

Em declarações à ANGOP, a gerente da Farmácia Bem do Povo, Careca Muyulange, disse que o álcool em gel é um produto que rendia pouco, mas com o surgimento da doença a procura aumentou, dada a sua importância na prevenção do covid-19.

Fez saber que nesta altura o seu estabelecimento tem apenas luvas e máscaras descartáveis que estão a ser comercializados ao preço de 250 a 500 kwanzas, ao contrário dos 100 e 200 kwanzas praticados anteriores.

Já a responsável da farmácia Samakaka, Silvania Naukalepo, afirmou que os produtos de higienização esgotaram nas duas últimas semanas e foram adquiridos por empresas e população em geral.

Situação similar ocorre nos dois grandes estabelecimentos comercias em Ondjiva, a Shoprite e Nosso Super.

No entanto, o chefe de Departamento da Saúde Pública no Cunene, Félix Belarmino, disse que as unidades sanitárias dispõem de produtos como máscaras, luvas e gel de higienização para a prevenção da pandemia do COVID-19.

Apelou à população a observância das medidas de prevenção que passa por lavar sempre as mãos com água e sabão, evitar grupos de pessoas e, em caso de sintomas associados a doença, procurarem, com urgência, uma unidade sanitária mais próxima.

O Covid-19 é uma pneumonia que emergiu na cidade chinesa de Wuhan, em Dezembro, causada por um novo Coronavírus. O Covid-2019 tem sido comparado à epidemia global da síndrome respiratória aguda (SARS, na sigla em inglês), que aconteceu em 2002 e 2003.

Angola já dispõe de dois casos confirmado positivo do novo coronavírus.

A RDC, Côte d'Ivoire, Camarões, Senegal, Togo, Egipto, Tunísia, Argélia, Marrocos, Burkina Faso, Nigéria, África do Sul e Namíbia fazem parte do conjunto de países africanos afectados pela pandemia.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: