Lisboa - O Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço revela-se inclinado em trazer para a futura composição governamental, a figura de “Porta-Voz do Executivo”, que operaria na orbita do Secretariado do Conselho de Ministros. A estratégia, é permitir a uma melhor fluidez da comunicação institucional do Executivo e os demais variados “stakeholder”. 

Fonte: Club-k.net

Com a categoria de Ministro ou  Secretario de Estado 

De acordo com apuramentos, o figurino que está a ser estudado para a figura de “porta-voz do executivo”, é que a tarefa venha a ser desempenhada por uma entidade que passe a ter a categoria de “Ministro sem pasta” ou de “Secretario de Estado”.


Eduardo de Sousa Magalhães a figura a quem as autoridades haviam inicialmente identificado como sendo a que reune critérios para se comunicar em novo do executivo, revela-se, mais dedicado na sua própria ascensão para Secretario de Estado para a Comunicação Social encarregue no acompanhamento e monotorização dos demais gabinetes ministeriais a nível do executivo.

 

Eduardo Magalhães é o Director Nacional da Comunicação Institucional no ministério da comunicação social. Já foi Director-Geral da Rádio Nacional de Angola, da Rádio Keiros, ligada a Igreja Metodista, e porta voz de vários eventos governamentais. Apesar das suas valências, há conhecimento que as autoridades estariam a manifestar reservas a sua volta que segundo pesquisa do Club-K, se agravaram com o episódio de ausência de transparência com que se envolveu pessoalmente na contratação de uma empresa portuguesa para produção de um novo logotipo da imagem do governo, gerando acusações de ocorrência de plágio.


Durante os últimos 40 anos de governação do MPLA, eram os próprios ministros da comunicação social que ficavam na dupla tarefa de porta-voz. Ao tempo do conflito armado, JES havia nomeado em Fevereiro de 1993, um Porta-Voz dos Serviços de Apoio ao Presidente da República, cargo então exercido durante 17 anos, por Aldemiro Justino de Aguiar Vaz da Conceição.


Desde o executivo deixou de ter um “Porta-Voz”, apesar de ter surgido em Maio de 2012, o chamado Gabinete de Revitalização e Execução da Comunicação Institucional e Marketing da Administração, que tambem operava na esfera da Presidência da República tendo como diretor, Manuel António Rabelais.


Em Setembro de 2015, numa altura em que a imagem do regime estava desgastada devido as graves denuncias de actos de corrupção e aos excessos de prisões e execuções por parte da Polícia Nacional, o então Presidente da República, José Eduardo dos Santos criou por despacho interno numero 13/2015, trouxe de volta a figura de “porta-voz”, mas desta vez com a designação oficial de “Embaixador Itinerante pra as questões politicas” cuja responsabilidade era “defender e promover a defesa e bom nome das instituições e dos dirigentes da República de Angola”. A tarefa seria confiada a António Manuel Luvualu de Carvalho, actualmente ao serviço da diplomacia angolana.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: