Lisboa – O MPLA retificou este final de semana uma “galha histórica” do seu actual Presidente João Manuel Gonçalves Lourenço que a margem do VI Congresso Extraordinário do MPLA, decretou o nacionalista Ilídio Machado como Primeiro Presidente da sua formação partidária, em detrimento de Mário Coelho Pinto de Andrade.

Fonte: Club-k.net

Mário P. de Andrade volta a ser o  Primeiro Presidente do MPLA

A retificação foi verificada numa mensagem de condolência pelo falecimento de Sarah Maldoror, viúva de Mário Pinto de Andrade, em que a direção do MPLA devolve ao nacionalista angolano o titulo de “Primeiro Presidente do MPLA”.

 

“Foi com profundo sentimento de consternação e tristeza que o Bureau Político do Comité Central do MPLA tomou conhecimento do falecimento da Camarada SARAH MALDOROR, viúva do malogrado Camarada Mário Coelho Pinto de Andrade, co-fundador e primeiro Presidente do MPLA, ocorrido hoje, dia 13 de Abril de 2020, em Paris, por doença, aos 91 anos de idade”, lê-se na mensagem que o Club-K teve acesso.

 

Desde que João Lourenço decidiu alterar dados  históricos sobre a fundação do seu partido,  que várias entidades como o histórico do MPLA, Adolfo Maria ou mesmo o historiador Jean-Michel Mabeko Tali, filho de Lucio Lara tem chamado atenção que Ilídio Machado nunca foi o Primeiro Presidente do  MPLA.

 

No seu livro “MPLA perante si próprio”,  Jean Michel Thali afirma que o MPLA, foi fundado em 1960 na Guiné Conacri, tendo Mário Pinto de Andrade como presidente. Posição também defendida em escritos deixados por figuras de proa do movimento nacionalista, como os finados Joaquim Pinto de Andrade e Azancot de Menezes, membro do primeiro Comité Director do MPLA, liderado por Mário Pinto de Andrade.


Segundo o portal Mukanda, o jornalista e pesquisador Drumond Jaime, disse em finais de 2019, no espaço que apresenta na ZAP TV, Kiosk de Imprensa, que Ilídio Machado, antes de falecer, disse que nunca foi presidente do MPLA.


O MPLA   nasceu como uma partido  de inspiração comunista tendo com um dos seus pontos fortes a propaganda e a adulteração de factos históricos.


Antecedentes de partidos comunistas: Técnicas de inventar viúvas

Na antiga União Soviética, circulava uma estória – até agora difícil de se confirmar - de que Josef Stalin, ao notar que Nadejda Krupskaia, viúva de Lenin, teria tomado uma posição critica ao seu regime, ameaçou-a arranjar uma “outra viúva” caso aquela não se portasse bem. A verdade é que de Nadejda só aparecem escritos a manifestar apoio a Stalin ou a condenar Leon Troski.

 

Em Angola, o regime também já recorreu a mesma técnica contra o seu principal adversário a UNITA. Em 1998, quando disputaram em tribunal sul africano pela tutela dos restos mortais do general “Ben Ben”, falecido em Joanesburgo. O regime angolano intercedeu junto do Tribunal dizendo que “Ben” não tinha uma única esposa, pelo que havia uma outra, senhora “Maximissa”, que também tinha uma palavra a dizer. Era a UNITA, com a viúva Malvina Pena e o MPLA com a “viúva” Maximissa.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: