Lisboa – Estão a ser dadas como certas as advertências feitas em certas publicações, alertando que a combinação que deu lugar ao “mega” Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, estaria condenada a causar “confusão” entre os antigos ministros que a contra gosto passaram a subalternos (Secretários de Estado) da “super” ministra Adjany da Silva Freitas Costa.

Fonte: Club-k.net

Não quer documentos dirigidos a Ministra no seu gabinete 

De acordo com registros, a primeira confusão assinalou nesta terça-feira (14) quando a ex-ministra Paula Cristina Francisco Coelho, (agora reduzida a Secretária de Estado para o Ambiente) orientou ao diretor do seu gabinete para colocar na vitrina do edifício (Zimbo Tower, Rua dos Enganos, 3º Andar, Luanda) onde funcionam um comunicado a avisar que não iriam aceitariam recepcionar correspondências destinadas a nova Ministra da Cultura, Turismo e Ambiente, Adjany da Silva Freitas Costa.

 

A orientação baixada pela Secretaria de Estado Paula Coelho é de que todos os expedientes dirigidos a sua nova superior hierárquica deverão ser remetido para o edifício do Ex- ministério do Turismo, em Talatona, onde a ministra Adjany Costa começou a trabalhar e não no edifício onde esta o seu gabinete para a área do ambiente.

 

“Os trabalhadores colocados na recepção, deverão colaborar estritamente, não devendo permitir ou receber documentos digeridos a Ministra da Cultura, Turismo e Ambiente aqui neste edifício”, lê-se no documento que o Club-K teve acesso.

 

“Nunca se viu procedimento igual pois mesmo que quisesse dar alguma orientação aos quadros do Ambiente seria por Circular Interna de âmbito restrito. Começa mal a Dra Paula Coelho a demonstrar a sua arrogância e um sentimento de má perdedora”, considera um autor desconhecido que fez circular uma parecer sobre o assunto nas redes sociais.

 

Uma fonte consultada considera não haver problema sugerindo que “a Secretária de Estado para o Ambiente Paula Coelho sendo subordinada da ministra Adjany Costa, pode receber as correspondências que chegarem no seu edifício e por sua vez reencaminhar para o gabinete da sua superior hierárquica ao invés de rejeitar a recepção de documentos”.

 

De lembrar que quando ocorreram as nomeações a antiga ministra Maria Ângela Teixeira de Alva Sequeira Bragança rejeitou ser “reduzida” a Secretaria do Estado do turismo, o que o colocaria na posição de subalterna de Adjany Costa recém saída da Universidade.

 

A quando a tomada de posse dos novos governantes, o Presidente João Lourenço elogiou alguns dos antigos ministros que aceitaram passar a secretários de Estado, no quadro da fusão de alguns ministérios, destacando o exemplo deste gesto “de modéstia”.

 

“Gostaria de aproveitar esta oportunidade para, muito sinceramente, reconhecer o gesto de simplicidade, de modéstia, que alguns, que até há poucos dias desempenharam as funções de ministros em diferentes pastas, aceitaram o convite para, praticamente no mesmo ministério, onde foram ministros, desempenharem a função de secretários de Estado”, disse João Lourenço, na ocasião.

 

Entre estes contam-se os ex-ministros Nuno Caldas Albino, Ana Paula Carvalho, Maria da Piedade de Jesus e Paula Coelho que tutelavam, respetivamente, a Comunicação Social, o Ordenamento do Território, a Cultura e o Ambiente, e vão agora assumir secretarias de Estado nas mesmas áreas.

 

Para o chefe de Estado angolano, o exemplo destes governantes “deve ser tido em devida conta” conhecendo-se a “cultura política” do país.

 

“Devo confessar que, quando orientei que fossem feitas as consultas, não esperava obter respostas positivas. Fui surpreendido e isso é de louvar, porque todos nós conhecemos a nossa cultura política”, destacou.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: