Luanda - O ministro de Estado e do Desenvolvimento Económico de Angola disse hoje, em Luanda, que o aumento da produção nacional é o imperativo para fazer face à recessão económica que o país enfrenta desde 2016.

Fonte: Lusa

Manuel Nunes Júnior discursava hoje na cerimónia de passagem de pastas entre o novo ministro da Indústria e Comércio de Angola, Victor Fernandes, e os seus antecessores.

 

O governante angolano frisou que, com a alteração na estrutura orgânica do executivo angolano, a atividade produtiva ficou concentrada nos Ministérios da Indústria e Comércio e no da Agricultura e Pescas, que "passarão a ter uma grande responsabilidade na revitalização da base produtiva do país, com vista ao relançamento do crescimento económico e ao aumento do número de empregos no país".

 

Segundo Manuel Nunes Júnior, só com o aumento da produção nacional Angola poderá aumentar os níveis de emprego e os rendimentos dos cidadãos e das famílias angolanas.

 

"Quanto mais pessoas estiverem a trabalhar e a auferir salários dignos, maior será o grau de satisfação das famílias, por isso temos de trabalhar para aumentar o número de empregos na economia", referiu.

 

Na sua intervenção, Manuel Nunes Júnior sublinhou a necessidade da diminuição ou eliminação das importações de produtos, em particular os da cesta básica, desafio para os quais convocou os empresários do país.

 

"Temos em Angola empreendedores e empresários de elevado valor. Pessoas capazes de assumir riscos e de avançar com projetos, empresariais de modo a torná-los rentáveis e eficientes, mesmo em condições muito adversas", disse.

 

Por sua vez, o novo titular da pasta da Indústria e do Comércio, em declarações à imprensa, indicou como prioridades a aposta na produção nacional e a diminuição das importações, tendo o órgão ministerial que dirige uma relação muito estreita com o Ministério da Agricultura e Pescas.

 

"Naturalmente que isto não se faz num dia, neste momento estamos ainda a trabalhar na definição do estatuto orgânico, que já está pronto e vamos submeter a proposta para aprovação superior", avançou.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: