Lisboa – O Director do Gabinete de Acção Psicológica e Informação da Casa de Segurança, Ernesto Manuel Norberto Garcia é citado pelo “África Monitor Inteligente” de ter conduzido a campanha viral contra o Presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior como medida para “desanuviar” às atenções a volta do escândalo relacionado ao subsídio de renda de 17 milhões de kwanzas que Fernando da Piedade Dias dos Santos “Nandó” recebia enquanto Presidente da Assembleia Nacional, nos últimos anos.

Fonte: Club-k.net/AM

O assunto estava gerar mal estar no regime com suspeitas de que correntes próximas da Presidência da República seriam os responsáveis pelo vazamento da informação ao Jornal “Expansão” com o intuito de expor o Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos.

 

Para desviar as atenções do escândalo dos 17 milhões de kwanzas de subsídio, o Director do Gabinete de Acção Psicológica e Informação foi a um programa dominical da TV Zimbo acusar Adalberto da Costa Júnior de não justificar com o seu trabalho parlamentar os salários auferidos pelas suas frequentes faltas às sessões. Desde então a sociedade deixou de debater o assunto de “Nandó” passando a discutir as supostas ausências parlamentares do novo líder da UNITA.

 

O “África Monitor Inteligente” atribui igualmente a Norberto Garcia intenções de atribuir a UNITA a autoria do vazamento da informação do subsidio de “Nandó” ao Jornal Expansão como medida acrescida para desanuviar o clima a volta do Presidente do parlamento angolano.

 

Segundo a referida publicação “a intenção de Norberto Garcia, previamente coordenada ao nível da Presidência da República, não traduz uma mudança de postura face a UNITA, mas conforme apurado, uma necessidade de esvaziar internamente o mal estar criado pela percepção, junto de círculos próximos de “Nandó”, de que a informação foi colocada a circular por meios próximos da PR, com o objetivo de condicionar o Presidente da A.N, 2 figura do Estado depois de JL, e ainda detentor de uma extensa rede de influencias, sobretudo ao nível do partido”.

 

Segundo a publicação, ao fazer acusações contra a Adalberto Costa Júnior (ACJ), o trabalho do novo diretor do gabinete de ação psicológica contribui para a desvalorização do tema sobre o subsidio dos 17 milhões de kwanzas de subsídio.

 

Apesar de Norberto Garcia ter sido recentemente nomeado para o Gabinete de Acção Psicológica e Informação da Casa de Segurança, ações de “desvio de temas” tem sido postas em marcha pelo regime desde que o MPLA chegou ao poder. Em Fevereiro de 2009, o Governo angolano enfrentava, protesto dos populares que solicitavam, reparo das suas casas que haviam sido destruídas pelas fortes chuvadas que assolavam Luanda. Para desviar o assunto, o regime - através da TPA, RNA, Polícia Nacional - acusou o histórico da FNLA, Ngola Kabangu, de ter feito cárcere privado a um ex-soldado do seu partido de nome “Benedito”. Logo após as falsas acusações, contra Kabangu, os populares deixaram de debater/pedir reposição das suas casas passando a debater o “caso Benedito”, como ficou conhecido.

 

Dias depois Ngola Kabangu apareceu nas rádios e jornais não ligados ao Governo tendo apresentado a sua versão e igualmente um médico que tratava o doente tal como o grupo de pastor que para ele rezavam desmentindo assim a versão do regime que insinuava que o doente estava sob cativeiro. O jornalista William Tonet, também apareceu denunciando que as imagens passadas pela TPA sobre o assunto eram forjadas e serviam para provocar distração popular.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: