Lisboa - A direcção da Radio Eclesia suspendeu quarta- feira (16), o seu correspondente no Namibe, Armando Tchicoca, no seguimento de uma reclamação, em carta  do Juiz  do Namibe, Antonio Visandule, dirigida ao  Bispo Dom Mateus Feliciano e ao  Padre Mauricio Camuto alegando que  a emisora catolica esta mal representada naquele territorio.


Fonte: Club-k.net


Na  carta datada de 12 de Novembro o juiz da província invoca  que aquele profissional de comunicação ameaçou “derrubar o poder judicial” naquela província. A Radio convocou, de seguida,  o seu correspondente que teria sido advertido por medidas a serem tomadas.


De acordo com dados obtidos, o juiz Antonio Visandule alega   na carta  que no do dia 19 de Outubro  recebeu alguém que lhe mostrou uma mensagem telefônica   supostamente de autoria de Armando Chicoca  cujo teor alertava a  seguinte mensagem: “Senhor Dr, dou-lhe a conhecer que mexemos no executivo do Namibe, conseguimos derrubar o Senhor Governador provincial do Namibe, a etapa seguinte será a de combater o poder judicial na pessoal do juiz presidente”.


Esta quarta feira, o director da Eclésia, padre Mauricio Camuto decidiu que Armando Chicoca  deveria suspender a sua actividade de correspondente da emissora Católica. Em seu lugar, passara estar uma jornalista, Florinda Canjungo que esta de malas feitas para Luanda para cumprir um programa de estagio.


Aos restantes membros próximos ao clero, foi justificado que a suspensão do jornalista, em referencia, obedece a um processo disciplinar em curso, movido contra si.
 
Na província do Namibe, onde o mesmo corresponde, corre rumores em meios do poder alegando que  é culpado pela exoneração do “pai grande” da província. A referencia (pai grande) vêem de uma rede que, inclui o juiz Antonio Visandule tida agora,  como "órfãos" do ex Governador.

De lembrar que em  2007,  Armando Chicoca foi preso e julgado por 33 dias. Na altura, uma alta figura do clero na província, Dom Zacarias Camuenho havia reagido em desfavor do jornalista.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: