Macau – O pediatra angolano Luís Bernardino considerou hoje que foram feitos “muito poucos” testes de despistagem da covid-19.

Fonte: Lusa

Até agora, “pouco mais de cinco mil testes” foram feitos em Angola, disse Luís Bernardino, numa intervenção durante um ‘webinar’ [seminário online] promovido pela Fundação Rui Cunha e pelo jornal Plataforma, ambos de Macau, subordinado ao tema “Vamos desconfinar? Saúde Pública Opções Privadas”.

 

“Há casos locais, mas só foram detetados 45”, disse o médico, para salientar a “grande discrepância” entre os países africanos, recorrendo ao exemplo vizinho da República Democrática do Congo, onde estão contabilizados mais de mil casos.

 

O sistema de saúde angolano é “menos organizado” e com a epidemia “o pessoal de saúde foi desmobilizado” e “trabalha dia sim, dia não”, indicou, durante o ‘webinar’, que contou com a participação dos médicos Mónica Pon (Macau) e Mário Freitas (Portugal).

 

“A mão de obra já foi reduzida, mas não deve ficar em casa (…) deve procurar enquadrar-se noutros serviços e necessidades”, alertou Luís Bernardino, acrescentando que a população tem medo de ir aos hospitais devido à covid-19.

 

Sobre o desconfinamento em Angola, numa altura em que vários países atingidos pela pandemia começam a pôr fim ao confinamento social, o pediatra salientou que “ainda não é palpável qual é a epidemia”.

 

Já o médico português Mário Freitas defendeu que Portugal “foi uma espécie de milagre”, quer em número de casos, como na taxa de letalidade. “Temia-se o pior”, sobretudo devido às situações de Espanha e de Itália.

 

“O confinamento é uma espécie de bomba atómica da Saúde Pública”, usado quando não há tratamentos nem vacinas, como acontece com esta doença, pois funciona “de uma forma relativamente rápida, tendo em atenção o comportamento natural do vírus, que tem um período de incubação de 14 dias”, destacou o também delegado de Saúde de Braga.

 

Quanto ao processo de desconfinamento, este tem de ser “sustentado epidemiologicamente”, alertou.

 

“O grande problema é que as pessoas nos primeiros dias podem não ver um reflexo de comportamentos menos cívicos”, mas entre “15 a 20 dias” os serviços de emergência estarão sobrelotados, acrescentou.

 

“A segunda vaga ou próximas vagas serão aquilo que nós cidadãos fizermos”, advertiu Mário Freitas, para quem a covid-19 é “a última pandemia antes da próxima, uma realidade que vai continuar”.

 

Para a médica de Macau, que só registou 45 casos da covid-19 e onde há 35 dias não são identificadas novas infeções, “desconfinar não significa relaxar”.

 

“Abrir fronteiras significa que podem surgir pequenos surtos de infeção na comunidade, como está a acontecer” em Wuhan, cidade chinesa onde a covid-19 foi identificada em dezembro passado, ou na Alemanha, afirmou Mónica Pon.

 

Por isso, a internista do Centro Hospitalar Conde São Januário defendeu a necessidade de manter o distanciamento social, o uso de máscaras de proteção e a lavagem frequente das mãos, bem como “rastrear contactos, testar e manter alerta” em relação à doença.

 

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 292 mil mortos e infetou mais de 4,2 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

 

Em Portugal, morreram 1.175 pessoas das 28.132 confirmadas como infetadas, e há 3.182 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

 

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

 

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, vários países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: