Luanda - "Eu nasci em Kalandula, registado no Cazenga e estudei na Escola da UNITA que foi a base dela em 1975, fui estudar em Portugal com menos de 20 anos, como, onde e quando seria militante da UNITA ou bolseiro ?...

Fonte: Club-k.net

Em 2012, surgiu um artigo da Segunda Secretaria da JURA entre Março a Junho acusando-me de ter sido militante ou ter estudado com ajudas da UNITA em Portugal. Eu nem conhecia a Sra e procurei saber, onde apurei ser filha do General Eugênio Manuvakola, contactei o Sr por via da mulher a Dra Bela Malaquias, para alertar do insulto da filha, ele desculpou-se por saber que ela nunca estudou em Lisboa e nunca lá esteve. Pediu-me para que eu não processa-se e entende os sacrifício por que passaram por ter assinado os Acordos de Lusaka e a vingança de Savimbi. No entanto, depois surgiu um Carlos Moreira, com a mesma História. Claro que me apercebi que era uma Fake News para desviar atenção e gerar desconfiança no seio do MPLA, pois, quem alguma vez cooperou ou conhece a UNITA por dentro eles nunca atacam.


Eu felizmente por ser franco e directo, digo-o mais uma vez, nunca me reuni com alguém da UNITA para tratar questões políticas ou conspirar, basta verem as filhas dos vossos militantes, identidades e contactos ou dados pessoais. Ademais, existem serviços de inteligência externa que acompanhavam a vida de suspeitos de conspiração. Importa lembrar também desde 1993 que a UNITA estava sobre sanções depois da Resolução 864 de 1993.


Se eu nunca vivi numa zona controlada pela UNITA, trabalhei e estudei em Luanda, como teria sido militante da UNITA se meus pais nunca foram nem alguma vez viveram em zonas sob domínio dela.


Meus pais enviatam-me estudar fora com muito sacrifício e eu trabalhei nas obras e sempre frequentei a Embaixada de Angola com Passaporte e Cartão Consular. Nunca tive duas caras ou nunca fui camaleão como característica da UNITA e seus comparsas.


Se até tivesse tido algum apoio teria agradecido, devolver por uma questão de honra e dignidade. Salvo se me estiverem a confundir com alguém da minha família que tenham raptado em Kalandula. Eu nunca me sentei com ninguém da UNITA para receber orientações ou conviver politicamente, salvo se cruzei na Igreja ou Universidade, mas nunca tive contactos ideológicos ou de simpatia .


Já agora como podem ser sérios acusarem-me de ter recebido favores que nunca tive e se eu alguma vez tivesse tido mesmo, então, nunca teria opinião própria? Nunca teria dignidade? Nunca podia discordar? E se a UNITA governasse uma zona em que eu estivesse seria logo eliminado por criticar?


Vê -Se que estão desesperados, até vão buscar textos antigos para desviaram atenção do escândalo do Líder da Oposição ou da UNITA em crise de integridade...


Continuarei a defender os meus valores mas nunca ceder à mentira, chantagem, intriga ou insulto. Nunca fui militante nem alguma vez recebi dinheiro ou favores se existisse diriam qual era o valor, conta, regularidade ou até inscrição. Estudei e trabalhei com dignidade e superei. Agradeço os Srs Mário Pinto de Andrade, José Inglês, Embaixadores Jose Patricio, Serra Van-Dúnem e Assunção dos Anjos, ex Ministro da educação António Burity da Silva e os meus colegas que estão aí, se são parentes ou familiares de dirigentes da UNITA ou tiveram cumplicidades eu não. Sempre pautei-me por valores transmitidos pelos meus pais.


Procurem bem quem teve cumplicidades com a UNITA, eu nunca os tive e não se desesperem..."

João Pinto


Tema relacionado

Dirigente da UNITA revela que João Pinto foi seu militante

 

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: