Lisboa - A construtora Omatapalo, criada por Luís Manuel da Fonseca Nunes, membro do BP do MPLA e governador da Huíla, deverá se tornar parceira da Gemcorp no enorme projeto de construção da refinaria de Cabinda, segundo avançou nesta sexta-feira, 22, o portal “África Intelligence”. 

Fonte: Club-k.net

A publicação dirigira pelo jornalista francês Philippe Vasset, salienta que “restam apenas duas empresas na disputa pelo contrato para a construção da refinaria de Cabinda, com 60.000 bpd.”

 

“Segundo nossas informações, o duelo é entre o grupo Odebrecht no Brasil e o Lambert Consortium, um grupo composto pelo juniores nigeriano Lambert Electromec, construtoras portuguesas Omatapalo e Mota-Engil e a empresa libanesa Dar Al-Handasah”, lê-se na publicação.

 

No total, seis empresas de joint venture concorrem para a construção deste Mega Projecto que está sendo defendido pelo chefe de estado angolano João Lourenço, com financiamento da empresa britânica de investimentos Gemcorp, o principal parceiro financeiro de Angola. Em dezembro de 2019, a Gemcorp substituiu o veículo de investimento da empresa United Shine,  registrada em Hong Kong, que venceu o concurso realizado pela Sonangol em 2018.

 

A parte interna respeitante aos trabalhos de engenharia da refinaria de Cabinda deverão ser realizados pela VFuels, empresa com sede em Houston cujo líder é o empresário libanês Souheil Abboud.

 

Desde que Lourenço se tornou presidente, a  Omatapalo ganhou contratos do setor público para estradas e edifícios no valor de centenas de milhões de dólares. Mais recentemente, garantiu um acordo de US $ 177 milhões para construir barragens hidráulicas na província de Cunene. A referida em  está  no projeto como   parceira  regular da  Mota-Engil.


Tema relacionado

Reforço do investimento na refinaria de Cabinda

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: