Luanda - O MPLA encorajou, nesta segunda-feira, o Executivo a proceder ao adequado reajustamento das medidas de políticas económicas e sociais, com vista à melhoria das condições de vida, protecção dos direitos, crescimento e desenvolvimento integral das crianças angolanas e as suas respectivas famílias.

Fonte: Angop

A posição está manifestada numa nota do Bureau Político do partido no poder em Angola, em alusão ao Dia Internacional da Criança, que hoje (1 de Junho ) se assinala, realçando que "as crianças são um dos elementos nucleares de toda a acção e pensamento político do MPLA".

 

De acordo com o documento, o cidadão e as famílias são o primeiro e o mais importante activo de Angola, constituindo a prioridade das prioridades das políticas do Executivo angolano.

 

Reafirma a predisposição em salvaguardar a protecção integral dos direitos e garantias fundamentais das crianças, o incentivo à expansão da educação pré-escolar, o apoio às instituições de atendimento e acolhimento de crianças desamparadas, bem como a promoção e a ampliação de infra-estruturas destinadas à interacção e diversão das crianças.

 

Saúda os profissionais que trabalham nas áreas vocacionadas ao cultivo da alegria e da qualidade de vida desta importante franja da população angolana.

 

“O Bureau Político do MPLA estende um abraço de solidariedade aos meninos e meninas de todo o mundo, vítimas da Covid-19 “, lê-se na nota.

 

Entretanto, a Liga da Mulher Angolana (Lima ) é de opinião que o Executivo angolano é chamado à responsabilidade, no sentido de preparar as crianças para um futuro saudável, pois elas são os continuadores fiéis da observância das ideias de qualquer país.

 

O Executivo e a sociedade, em geral, devem velar pelas crianças em todas as estações do ano e não se lembrem delas apenas no dia 1 de Junho e na quadra festiva, refere a nota da organização das mulheres da UNITA.

 

Conforme o documento, as crianças precisam de mais atenção, para que se tenha um futuro seguro e soberano, considerando que os petizes de hoje são os homens e as mulheres de amanhã.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: