Luanda - O decano da faculdade de economia da Universidade Agostinho Neto, Redento Pedro Carlos Maia (na foto), expulsou esta quarta-feira (17) quadro funcionários da Direção de Assuntos Acadêmicos (DAAC), pela acusação de terem andado a cobrar 500 mil kwanzas aos cidadãos para se listarem na lista de matriculados.

Fonte: Club-k.net

Os funcionários expulsos são: Antônio Jacinto, Mauro Sebastião, Custodio Soma Sapalo, e Silvano da Silva. Este último sobrinho do decano Redento Maia.

 

Segundo apurou o Club-K, o esquema foi descoberto depois de uma jovem identificada como “sobrinha de alguém importante do governo”, ter abordado ao tio que os colegas que com ela reprovaram nos exames de admissão apareceram numa lista de matriculados.

 

A sobrinha – da pessoa importante do governo - explicou ao tio que para serem admitidos, os seus amigos pagaram a quantia de 500 mil kwanzas a um funcionário da Direção de Assuntos Acadêmicos (DAAC) que atende pelo nome de nome Antônio Jacinto.

 

O tio da jovem desejava  entender o funcionamento da rede de acesso as matriculas tendo decidido dar os valores a sobrinha e esta por sua vez , fez  chegar ao líder da rede, Antônio Jacinto que a colocou na lista dos matriculados admitidos. Ao confirmar que se tratava de   uma rede operacional, o tio da jovem telefonou para o decano Redento Maia denunciando a existência do grupo de funcionários que recebe dinheiro em troca de matriculas.

 

Temendo que o assunto fosse parar mais longe, o decano Redento Maia chamou, a semana passada, um advogado para o acompanhar a interpelar/interrogar os funcionários, determinando nesta quarta-feira a medida de expulsar os quatros funcionários.

 

A nível da faculdade, o corpo docente e restantes funcionários revelam não estar satisfeitos com a decisão tomada, por considerarem que para o funcionário Antônio Jacinto colocar o nome dos reprovados na lista de apurados teria de ter a aprovação do próprio decano.

 

A comunidade acadêmica acredita mesmo que o decano conhece a rede, uma vez que o seu sobrinho Silvano da Silva faz parte do esquema. Por outro lado, o líder da rede Antônio Jacinto sempre teve a fama de ser “ponta de lança do decano”.

 

A medida de expulsão antecipadas dos funcionários, é vista como um artificio do decano destinado a evitar futuras conotações.

 

O decano, segundo alertaram ao Club-K, não tem competências de expulsar os funcionários sendo que o procedimento a ser cumprido teria de partir pela constituição de uma comissão de inquérito constituída por representantes dos organismos que formam a faculdade de economia , ao contrario da comissão constituída por si próprio e pelo seu advogado.

Loading...
 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: