Luanda - O Governo angolano vai avançar com dois novos projetos privados na área das energias renováveis, para a construção de uma central fotovoltaica na província da Huíla e aproveitamentos hidroelétricos na Lunda Norte, segundo diplomas consultados pela Lusa.

Fonte: Lusa


Trata-se, no primeiro caso, de uma central fotovoltaica com a capacidade inicial de 30 MWac/40MWp, que pode chegar, a 80MWac/100MWp, na segunda fase, a ser construída no Lubango, capital da província da Huíla,

 

Em despacho, o Presidente angolano autoriza a celebração de um memorando de entendimento, na ótica de um modelo de investimento privado, entre o Ministério da Energia e Águas e o consórcio das empresas Total Eren e Angola Environment Technology, Limitada para realizar estudos de viabilidade da central, no qual estão incluídos Estudos de Impacto Ambiental e Social, de Conexão da Rede de Estabilidade Estática e de Avaliação de Performance Económica e Financeira.

 

Este projeto enquadra-se no âmbito do Plano de Segurança Energética 2025, que tem como principal objetivo a ampliação da taxa de acesso à eletricidade para 60%, permitindo que mais de 14 milhões de angolanos tenham acesso à energia elétrica.

 

De acordo com o despacho presidencial 91/20 de 19 de junho, o alcance deste objetivo pressupõe a utilização de todas as fontes energéticas de que Angola possui, com realce para a hídrica, que preencherá 62% da matriz energética, podendo desta forma atingir a capacidade de 9.000 megawatts (MW).

 

Num outro despacho, o Presidente angolano autorizou a celebração de um memorando de entendimento para a realização de estudos de viabilidade com vista à construção e operação de Projetos Hidroelétricos para independentes de raiz ao longo do rio Cuango, na província da Lunda-Norte.

 

Neste projeto, o memorando de entendimento é rubricado, a título de investimento privado, entre o Ministério da Energia e Águas e o consórcio de empresas ELEKTRA -- Eletricidade e Águas de Angola, Limitada e Angola Hydro Holdco, Limited.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: