Lisboa - O ativista angolano Manuel Chivonde Baptista Nito Alves foi detido na manha desta sexta-feira (26) pela polícia portuguesa quando protestava  de fronte ao Consulado Geral de Angola  em Lisboa.

Fonte: Club-k.net

Segundo apurou o Club-K,  o activista deslocou-se, por volta das 8h30 desta sexta-feira,  as instalações do consulado angolano em Alcântara, gritando e chamando nomes como “gatunos” e outros termos pejorativos  contra o “staff” daquela  instituição diplomática  como forma de protesto a duas funcionárias que há dois meses abriram-lhe uma queixa-crime por  calunia e difamação que decorre num dos tribunais de Lisboa.

 

Em reação ao protesto,  o consulado de Angola chamou a polícia municipal que o algemou levando-o  para uma esquadra policial.

 

De acordo com antecedentes, já na quarta-feira, o activista havia procedido da mesma forma de fronte  tendo depois sido atendido por funcionário identificado por “Nicacio” que ouviu as suas reclamações, sem dar solução. 

 

Conhecido por integrar em Angola, ao  grupo do chamado  “15+ mais dois” que fora  detido em 2015,  na sequência de uma falsa acusação de golpe de Estado forjada pelo então PGR João Maria de Sousa. O  ativista Manuel Chivonde Baptista Nito Alves encontra-se em Portugal há mais de um ano. 

 

No contacto anterior no consulado de Angola, o mesmo havia manifestado o interesse de regressar a Luanda,  tão logo que houvesse um vôo humanitário, uma vez que segundo contou perdeu a sua carteira com os documentos pessoais pelo que necessita de apoio institucional por parte  das autoridades consulares.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: