Luanda - Em colóquios: académicos, profissionais e familiares, muito se têm debatido sobre como ser um profissional de sucesso, ser distinguido no mercado de trabalho, respeitado, ter aceitação e marcar a diferença. Na maioria das vezes, as respostas não se fazem esperar. É sorte, nasceu num bom berço, o Pai o apoiou, tem boas amizades, estudou numa boa Universidade, teve a sorte de conseguir um bom emprego. Estas pouquíssimas respostas e outras, têm sido as mais frequentes.

Fonte: Club-k.net

Na verdade, abordar sobre sucesso profissional, é na realidade, abordar um sucesso que-se constrói e que se afigura duradouro e nos deia uma felicidade eterna e permanente. A este tipo de sucesso, devemos nos a ter ao conselho de Marily Merira Brandao: “A mão do sucesso profissional tem 6 dedos, cujos nomes são: carácter, vocação, ética, talento, esforço e disciplina”. Fim de citação. E de igual modo, de Gilberto Martini Refatti: “Para ser um bom profissional antes de mais nada, devemos pagar o direito de piso que é aprender com amor o que se faz, para depois obter o triunfo”. Fim de citação.


“…O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário…”. Falar de sucesso profissional, é falar da razão da existência de um profissional que se preze dentro do seu raio de actuação dos requisitos chaves para a função, bem como, no cumprimento responsável das responsabilidades que lhe forem acometidas.


De acordo Roberto Shinyashiki, ele define sucesso profissional da seguinte forma: “Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho, sem sacrificar feriados e domingos, pelo menos uma centena de vezes. O sucesso é construído à noite! Durante o dia você faz o que todos fazem. Mas, para obter um resultado diferente da maioria, você tem que ser especial. Se fizer igual a todo o mundo, obterá os mesmos resultados. Não se compara com a maioria, pois, infelizmente ela não é modelo de sucesso. Se você quiser atingir uma meta especial, terá que estudar no horário em que os outros estão tomando chopp com batatas fritas. Terá de planejar, enquanto os outros permanecem à frente da televisão. Terá de trabalhar enquanto os outros tomam sol a beira da piscina. A realização de um sonho depende da dedicação, há muita gente que espera que o sonho se realiza por mágica, mais toda mágica é ilusão, e a ilusão não tirá ninguém de onde está, na verdade a ilusão é combustível dos perdedores pois … Quem quer fazer alguma coisa, encontra um meio termo. Quem não quer fazer nada encontra uma desculpa”. Fim de citação.


Nesta ordem de ideias, como é que este profissional pode ser bem-sucedido e, fazer a diferença no mercado de trabalho? A resposta é, é possível como: Primeiro o profissional deve saber o contexto do trabalho, segundo deve definir em função do contexto se deve ser um especialista numa determinada área do saber ou um generalista. Para a actual conjuntura em que nos encontramos, o actual colaborador deve ser especialista por excelência (Saber fazer e convencer) e ser generalista Porque? Por que no passado, falava-se em competências, actualmente fala se em poli competências ou seja várias competências de acordo o livram intitulado “ As Melhores Práticas de Gestão no Centro de desempenho” De Jean Brilman. Isto para além dos aspectos tradicionais como: Pontualidade, assiduidade, dedicação ao trabalho, respeito pelas hierarquias, transmitir confiança, amor ao trabalho, ter conhecimento e saber fazer.


Um outro ingrediente para o sucesso, o profissional deve definir objectivos, o bom desempenho encontra-se intimamente associado ao cumprimento de objectivos enquanto seu indicador natural, os objectivos normalmente estão relacionados com valores ou algo material segundo José Gonçalves das Neves, Margarida Garrido e Eduardo Simões como: ser distinguido como um bom profissional através de um diploma de mérito e ter maior sentido de responsabilidade em relação ao trabalho e, dentre outros.


Os objectivos, de acordo a minha criatividade e desenvolvimento com excepção da penúltima letra da palavra objectivos “O”, que foi definido no SMART: “Específicos, Mensuráveis, Atingíveis, Relevantes e Enquadrado no tempo” defini cada letra da palavra objectivo da seguinte forma: O: Organize as suas ideias, B: busque as pessoas chaves, J: junte as e as seleccione, E: exprime as suas ideias, T: tira as ideais chaves ou a opinião chave, I: implemente-as, V: verifique e monitor a implementação, O: Observe se são: Específicos, Mensuráveis, Atingíveis, Relevantes e Enquadrado no tempo, S: se for assim, tens as condições para implementar e ter sucesso.


O que implica dizer que, o profissional deve definir os objectivos para ser bem-sucedido profissionalmente, porque, como atrás foi referenciado, o bom desempenho depende do estabelecimento de objectvos de acordo o “SMART”.


Dizia Barack Obama, “ Na política e na vida a ignorância não é uma virtude” Moral: para termos sucesso, é importante ter conhecimento e, com o conhecimento definirmos de forma clara e precisa os desígnios. Conforme Thomas Edison 1847-1931 “Boa sorte é o que acontece quando a oportunidade encontra o planejamento” Moral: deve-se planear o sucesso, por que a planificação é o instrumento básico da gestão e a gestão é uma actividade intelectual desenvolvida por certas pessoas num contexto organizacional.


Voltando a ribalta, sobre a terminologia sorte, merece relevo a máxima do Professor DOUTOR e melhor palestrante do Brasil em 2019 (Leandro Karnal): “Sorte, é o nome que o vagabundo atribui ao esforço que ele não faz”. Continuando: “Leandro tu tens sorte, tenho sorte porque acordo todos os dias as 4 horas para estudar, basta acordar todos os dias as 10 horas que a sorte se vai”. Fim de citação.


Na mesma linha de pensamento, dizia o mesmo autor, enfatizando um pensamento norte-americano na qual faço questão de mencionar: “Quem se dedica a ser um profissional, precisa permanentemente levar em conta esta frase: “mudar é difícil, não mudar é fatal”. Fim de citação.


Dando sequência, o autor ainda vai mais além, nos seguintes termos: “Superem esta ideia de sorte, azar, destino, introduzam a ideia de decisão, estratégia e trabalho”. Fim de citação.


Outrossim, num passado recente, falávamos em “mão de obras”, hoje se diz em “cérebro de obras”, isto para que? Para que efectivamente, rebusquemos o génio que há em nós, as nossas forças, inteligências, criatividade, imaginação, iniciativa, proactividade e, não esperar, permita-me o vulgarismo: “pela papa feita”. Não adianta entrar em pormenor sobre casos práticos que é sobejamente conhecido por todos nós, a nível nacional e internacional.


Conseguintemente, devemos colocar de lado a linguagem do passado: “força de vontade” e colocarmos em frente as linguagens actuais: “força de visão e força de compromisso”.


Chegados aqui, que o nosso Estado angolano, deixou de ser: “o pai e espírito santo ou seja, tudo davam”. Ai vai o meu conselho: não fique lamentando por não estar contemplados num destes modelos: “É sorte, nasceu num bom berço, o Pai o apoiou, tem boas amizades, estudou numa boa Universidade, teve a sorte de conseguir um bom emprego”. Vá enfrente, lute dentro da sua realidade de vida, seja honesto, humilde, sacrifique-se, use a sua inteligência. Até lá, continuação de um ano 2020, cheio de êxitos.


Samuel Paulino Pedro



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: