Luanda - Duas ativistas da sociedade civil angolana denunciaram hoje uma tentativa de fraude, envolvendo crianças, e que visava obter donativos de Portugal, tendo sido resgatados quatro menores a precisar de cuidados de saúde.

Fonte: Lusa

Laura Macedo e Maria Helena Pereira afirmaram que se deslocaram na quarta-feira a uma zona da periferia de Luanda, acompanhando um jovem angolano, Hélder Silva, que estará alegadamente envolvido numa tentativa de fraude, através de uma igreja evangélica, situada em Olhão (Portugal).

 

Em causa está uma angariação de donativos para cerca de 200 crianças abandonadas e com problemas de saúde, que se encontrariam num barracão nos arredores de Luanda e cuja localização exata os supostos benfeitores recusaram fornecer à estação televisiva SIC, que emitiu uma reportagem sobre o assunto.

 

Laura Macedo e Maria Helena Pereira, que acompanharam o jovem angolano aperceberam-se, durante o percurso, que “as crianças haviam sido recolhidas momentaneamente das casas das suas famílias e colocadas num local para que pudessem fazer o vídeo” e constataram que “não existia qualquer barracão ou armazém onde estariam as 200 crianças”.

 

Após a realização do vídeo, “as crianças voltaram para junto dos seus familiares onde habitam, não se encontrando nenhum órfão no processo”, sublinham.

 

Nesta incursão, conseguiram, no entanto, resgatar, com o apoio do , com o apoio do Instituto Nacional de Emergências Médicas de Angola (INEMA), quatro das crianças que apareciam na reportagem e que tinham necessidade de cuidados médicos urgentes.

 

“Essas quatro crianças foram encaminhadas para o hospital pediátrico por ambulâncias do INEMA sobre o nosso acompanhamento em conjunto com a Direção Nacional de Saúde Pública, a Direção Provincial do INEMA, e o Hospital Pediátrico David Bernardino”, tendo sido uma rapariga de sexo feminino enviada para o Hospital do Prenda.

 

As crianças encontravam-se com as respetivas famílias nos bairros Cassaca 2 e Zango 3.

 

“Podemos afirmar que quatro das crianças estão a ser observadas nos hospitais já referidos sob tutela das autoridades sanitárias e acompanhadas por familiares diretos”, detalharam as ativistas, num comunicado de imprensa.

 

Questionada pela Lusa, Laura Macedo, considerou que se tratou “de uma tentativa de fraude realizada em Portugal”, já que não foi feito qualquer pedido de ajuda ou apelo junto das autoridades angolanas

 

“As crianças são angolanas, nós somos angolanos, mas o apelo feito pelo sr. Helder é para os portugueses, a fraude vem de Portugal, alegadamente de uma senhora que se chama Fátima que, segundo Helder Silva, coordenou toda esta operação”, disse Laura Macedo.

 

“A nossa perceção é que houve uma manipulação” no sentido de “montar esta encenação”, acrescentou Helena Pereira

 

Na nota de imprensa, Laura Macedo e Maria Helena Pereira criticaram a “contra-informação veiculada por vários organismos de comunicação social e redes sociais”.

 

Esta tensão levou à “perda do rasto” do angolano envolvido, inviabilizando a localização e possível resgate para acompanhamento médico de outras crianças que possam existir.

 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: