Luanda - A Polícia Nacional de Angola tem estado a apostar na formação do seu pessoal em todos os níveis e especialidade do saber científico.

Fonte: Facebook

Esta aposta, que é um dos pressupostos basilares do Plano de Modernização e Desenvolvimento da corporação (PMD), engendrado e aprovado logo após ao conflito armado, em 2002, permitiu a que nos últimos quinze anos fossem criados, em todas as principais unidades centrais e não só Institutos Médios, Pré-universitários, em parceria com o Ministério da Educação.

 

Nestes anos, a formação dos efectivos foi quase que obrigatória, em função de os mesmos terem as escolas nas unidades cuja a formação era gratuita.

 

A par disso e no intuito de os incentivar a estudar foram sendo organizados cursos de promoção a vários níveis que, na verdade, serviram para "levar" todos às escolas e em todas, quer sejam do nível médio como superior, para além daqueles que, por estratégia corporativa, são enviados no estrangeiro a fim de se formarem.

 

Neste último caso, pode notar-se que, três efectivos da Polícia Nacional (na foto), nomeadamente, Estevão Quessongo Mário, Sudre Alberto Quimuanga e José Adelino de Oliveira Tomé, concluíram, com êxito, terça-feira última, 27 de Julho de 2020, o curso de mestrado em Ciências de Investigação Criminal e Segurança Nacional, na Universidade Jurídica da cidade de Ufa – Russia, só para citar estes dois, cuja divulgação foi feita nas redes sociais.

 

No entanto, passados muitos anos desde a entrada em vigor do PMD, a Polícia tem, de facto, um número elevado de efectivos formados, como Bacharéis, Licenciados, Mestres, Doutores e Pós-doutores.


Nestes, segundo o Director de Pessoal e Quadros da PN, comissário, Domingos Moniz, que falava em entrevista ao portal governamental do MININT e retomada na íntegra pelo Club-K, entre os formados 67% são licenciados que asseguram a dinâmica organizacional em todas as províncias, todos os municípios, distritos e comunas.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: