Johanesburgo - Um proeminente general reformado sul africano, Bantubonke Harrington Holomisarevelou recordou a poucos dias, um episódio que gerou uma mal entre Nelson Mandela e José Eduardo dos Santos por conta de uma aeronave sul africana que teria aterrado na Jamba. Lembrou também como geririam o facto de o ex-PR angolano ter se zangado por Mandela não ter escolhido Angola como primeiro país a visitar assim que se tornou Chefe de Estado do seu país.

Fonte: Club-k.net

As revelações do general “Bantu” Holomisa foram expressas no passado dia 30 de Julho, na sua conta no facebook. O oficial reformado começa por descrever que “Em meados dos anos 90, o ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos ficou furioso com o fato de uma aeronave sul-africana ter pousado na Jamba (sede da UNITA)” e que “Alguns ministros seniores se recusaram a ser enviados para pedir desculpas” as autoridades angolanas.

 

“Madiba me ligou para perguntar se eu conhecia Dos Santos, que eu conheci em 1986 na coroação do rei de Eswatini. Fui então despachado para Luanda para me encontrar com Dos Santos. Ele questionou por que o governo de Madiba ainda apoiava a UNITA (referindo-se ao pouso do avião), especialmente porque eles (angolanos) haviam lutado junto com o MK (exercito do ANC) e os cubanos contra Jonas Savimbi”, escreveu o general

 

De acordo com o general Bantu Holomisa, “Dos Santos também perguntou por que Madiba, como novo chefe de estado, havia homenageado muitos países em todo o mundo visitando-os, mas não Angola”.

 

Holomisa que entre 1994 a 1996 ocupou o cargo de Vice-Ministro do Meio Ambiente e Turismo da África do Sul, prossegue dizendo que ao regressar ao seu país para dar o relatório da conversa a Nelson Mandela, este por sua vez instruiu o então ministro das Relações Exteriores Alfred Nzo para se programar uma visita de Estado a Angola “e, no final, nada menos que seis ministros acompanharam Madiba em 1998 para se encontrar com Dos Santos”.

 

A publicação do general foi acompanhada por um retrato ilustrando a chegada de Nelson Mandela no aeroporto de Luanda sendo recebido por José Eduardo dos Santos. “Parece que não estou nessa foto, mas a minha silenciosa ‘missão diplomática’ foi um sucesso”, terminou Bantu Holomisa que presentemente é deputado pelo Movimento Democrático Unido, partido a que fundou depois de ter sido expulso do ANC em setembro de 1996.

 

As relações entre Nelson Mandela e José Eduardo dos Santos sempre foram dadas como irreais, apesar de o segundo ter manifestado no passado que quando saísse do poder gostaria de ser conservado como alguém com o prestigio que o primeiro teve em vida.

 

Mandela retirou-se da vida política ao fim do seu primeiro mandato e passou a desenvolver atividades de mediação de conflitos e a dar palestras pelo mundo. Em meados de 2013, adoeceu e enquanto esteve no hospital recebeu visitas de alguns chefes de Estado. Na altura, José Eduardo dos Santos que se encontrava em visita medica a Barcelona manifestou ao seu então homologo Jacob Zuma interesse de visitar Mandela no hospital, em Pretória.

 

Na altura, o Club-K, reportou que depois do acerto de datas, JES recuado da viagem por alegado receio de que a sua deslocação poderia ser ofuscada pela visita que o então Presidente Norte americano, Barack Obama efectuava naquele momento a África do Sul pelas mesmas razões.

 

No dia 5 de Dezembro do mesmo ano, Nelson Mandela faleceu, tendo um funeral que contou com a presença de vários chefes de Estado de quase todo mundo. A presença de JES para participar nas exéquias de Mandela, era incialmente prevista, mas depois surgiram informações de que havia condicionado a viagem se tivesse acento próximo aos Presidentes dos EUA e do Brasil. Acabou por não viajar vincando a sua mensagem de pensar descrevendo que “Nelson Mandela não foi apenas o líder histórico do ANC e o primeiro Presidente Negro da República da África do Sul. Foi e é ainda símbolo carismático de todos os povos amantes da Paz, da Liberdade e da Democracia”.


Tema relacionado

Visita a casa de Mandela

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: