Luanda - A África é o terceiro continente mais extenso com cerca de 30 milhões de quilômetros quadrados, cobrindo 20,3% da área total da terra firme do planeta. É o segundo continente mais populoso da Terra com mais de um bilhão de pessoas, representando cerca de um sétimo da população mundial, e 54 países independentes. Tais factos poder-nos-iam levar a pensar que a África receberia muita atenção por parte dos jornais americanos e europeus.

Fonte: Club-k.net

Na verdade, a palavra “áfrica” leva, em vez disso, os ocidentais a pensar em países com mais peso na consciência ocidental do que a africana. Nos últimos 15 anos, as únicas ocasiões em que me recordo de artigos na primeira página sobre África foi quando as guerras e a miséria matavam muita gente, ou quando as doenças infeciosas se elevavam como um possível desastre.

Somos africanos. Não estamos sozinhos. Estamos com uma geração de jovens que se preocupam profundamente com o nosso futuro compartilhado em África. Estamos a olhar para questões como agronegócio, mudanças climáticas, inovação e tecnologias, cultura e educação e a aproveitar a inovação para promover oportunidades de conhecimento para todos. Continuamos a colocar o nosso melhor esforço em tudo o que fazemos, para que saiamos orgulhosos.

África – o berço da humanidade. Mãe África, que nos ensinou sobre família, trabalho árduo e sacrifício. A África que precisa manter-se unida em tempos difíceis.

Quase duas décadas de paz efectiva em Angola e podemos começar a pensar continuamente sobre o nosso país de outras maneiras.

A nossa primeira prioridade era consolidar a paz e abordar de maneira rápida e firme as consequências imediatas da guerra. Nos dias actuais, precisamos investir efectivamente na educação e, não importa o que cada um de nós queira fazer com a sua vida, garanto que precisaremos de uma educação para fazê-lo. Se quisermos ser advogados ou médicos, cientistas ou militares – iremos precisar de uma boa educação para cada uma dessas profissões.

Enquanto pensamos sobre o que vem a seguir, devemos mudar os nossos pensamentos de pensar sobre “eu” para pensar sobre “nós”.

Começar a pensar em como servir a humanidade, como dar uma contribuição para a humanidade.

Uma das coisas mais comuns que todos fazemos é subestimar a nós mesmos, subestimar a nossa capacidade de fazer a diferença para a humanidade.

Angola, meu país, como um estado moderno e amante da paz, respeita os valores universais, para que possa, a médio prazo, caminhar para os países mais desenvolvidos. Valores como a democracia, o respeito pelos direitos fundamentais dos cidadãos, a transparência e a boa governação devem, de facto, nortear as políticas de qualquer governo e especialmente daqueles que pretendem superar o fosso económico, científico e tecnológico, bem como eliminar a fome e a pobreza.

De acordo com a “Agenda África 2063”, nos próximos 43 anos, África será um lugar atravessado por trens de alta velocidade, lar de um programa espacial e de uma universidade on-line que pode espalhar conhecimento para casas e aldeias que antes eram inacessíveis pelas estradas. Claro que é uma visão excelente e ambiciosa. E acredito que isso pode ser alcançado. Mas como? Não vamos apenas gastar dinheiro nos nossos problemas - precisamos investir no que funciona. É necessário lançar um esforço sem precedentes para erradicar o desperdício, a ineficiência e os gastos desnecessários em infraestruturas.

É nisso que quero me concentrar hoje: a responsabilidade que cada um de nós tem pela sua educação.


Cada um de nós tem algo em que somos bons. Cada um de nós tem algo a oferecer. E temos a responsabilidade de descobrir o que é isso. Essa é a oportunidade que uma educação pode oferecer.

Nelson Mandela já nos deu a resposta: "A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo". Ele disse que "o poder da educação estende-se além do desenvolvimento de habilidades necessárias para o sucesso económico".
A África ainda precisa de fornecer recursos para educadores e alunos de todas as idades, incluindo: Unidades curriculares de documentos com base na fonte primária; Escolas especializadas para educadores e estudantes; Espaços educacionais inovadores; Centros de pesquisa e museus educacionais, etc.

Hoje, os nossos recursos podem ser limitados, mas a nossa vontade deve ser infinita. E estou confiante de que se nos unirmos como um só povo e pudermos fazer a diferença, podemos fazer os maiores e melhores trabalhos deste mundo.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: