Luanda - Uma das políticas públicas do sector da mobilidade urbana hodiernamente impactante tem que ver com a localização geográfica das grandes instituições e de quem nelas trabalha.

Fonte: Club-k.net

Neste sentido, os Estados, hoje, são obrigados, pela ciência, caso queiram resolver o problema da mobilidade, qualidade de vida e acessibilidade de todos, a fazer o levantamento, reunir estes detalhes, que para a maioria da população pouco importam, e os considerar na hora de tomada de decisões.

 

É o que temos estado a defender e o fizemos num passado recente, aquando da nossa participação ao programa televisivo "Visão Actual" da ZAP, que abordou "os transportes públicos em Luanda em tempo da COVID-19".

 

E o que isto de mobilidade urbana tem que ver com o Ministro do Interior?

 

O que isto de localização geográfica das instituições e daqueles que nelas trabalham tem que ver com Eugénio Laborinho, no caso?

 

Estas são algumas das questões que, instantaneamente podem ser feitas, mesmo que na perspectiva monóloga, por qualquer interessado nessas matérias ou na idéia inicial.

 

Pois é. A ligação que estabelecemos, e o devemos fazer enquanto cidadãos interessados no escopo do "direito de ir e vir", prende-se ao facto de Eugénio Laborinho, por justa posição ou por aglutinação, ter decidido a transferência da Direcção Geral do SIC (Serviço de Investigação Criminal), do Bairro Popular para o município mais a Norte de Luanda, Cacuaco.

 

Esta decisão tomada por justa posição ou por aglutinação, como, aliás, dissemos (se a mesma terá sido tomada por si só ou terão intervindo outras individualidades, incluindo o Comandante-EmChefe, como é óbvio) é de tamanha coragem e publicamente rentável, porquanto retira do circuito automóvel tradicional, caduco, cansativo e, nos dias actuais, incompreensível e injustificável, muitas pessoas.

 

Dito de outro modo. A entrega de novas instalações à Direcção Geral do SIC é um marco importante e que deve, a nosso ver, ser seguido por muitas instituições públicas.

 

Não é um mérito que resulta da simples mudança. O mérito da decisão do Ministro Laborinho, entendemos assim, prende-se com o facto de ter optado em "mandar" o SIC para o município de Cacuaco, longe da "MBUANDJA"(termo da língua bantu umbundo predominante no Centro e Sul de Angola) da baixa de Luanda e cercanias.

 

Mérito porque a decisão terá implicações extremamente positivas na vida de mais de mil pessoas que, doravante, deixam de se levantar às quatro da manhã em função do caótico trânsito da capital.

 

Deixam de fazer parte do estranho, mas explicável, circuito automóvel em que no período vespertino o sentido é quase que único, pois, a periferia, incluindo Cacuaco, transformou-se em simples dormitórios.

 

Mérito que resultará no aumento da produtividade dos operacionais e não só do SIC, já que muitos deles ganham, simultaneamente mais uma hora de descanso, considerando que sair de qualquer ponto de Luanda para ir a Cacuaco é das tarefas mais fáceis, se comparada com o cenário inverso.

 

Mérito porque com isso o Ministro retirou da circulação, no sentido tradicional, mais de mil veículos e, por conseguinte, vai contribuir na diminuição da fadiga, no aumento da disposição dos trabalhadores e no elevar dos níveis de produção em termos de segurança nacional.

 

É das políticas públicas do sector social que, embora desfeita do "assunto" dos transportes públicos, muito resolve para que o direito de circulação, da movimentação (mobilidade) seja exercido dentro do âmbito da contemporaneidade.

 

É esse tipo de decisões, coragem, ousadia que pedimos que mais instituições sitas na baixa de Luanda e cercanias, mais responsáveis tomem a fim de irmos melhorando a mobilidade das pessoas.

 

Aliás, alcançada a paz efectiva há mais de uma década não encontra acolhimento algum que certos Ministérios, Quartéis, Comandos, Unidades, Centrais de Empresas Públicas, Institutos Públicos, Direcções de Partidos Políticos e outras instituições continuem a funcionar na baixa de Luanda.

 

Estes e outros argumentos, todos ligados ao factor mobilidade urbana, acessível e seguro, leva-nos a concluir que o MINISTRO, EUGÊNIO LABORINHO, TOMOU UMA DECISÃO QUE, EFECTIVAMENTE, RESOLVE E A TODOS OS NÍVEIS.

*Jornalista e Pesquisador Rodoviário

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: