Lisboa - Está a criar desconforto, em círculos do MPLA, a iniciativa da ministra das finanças Vera Esperança dos Santos Daves de Sousa de ter nomeado em Março passado, uma das filhas do casal presidencial, Cristina Giovanna Dias Lourenço, para o cargo de administradora executiva da Bolsa de Valores de Angola (BODIVA).

Fonte: Club-k.net

Jornal português  critica nomeação de Cristina Lourenço

A BODIVA é uma empresa pública, constituída sob a forma de sociedade anónima, em que o ministério das finanças é a principal acionista. Os seus administradores executivos são nomeados pela titular das finanças e tomam posse perante a Mesa da Assembleia Geral da sociedade, nos termos da Lei das Sociedades Comerciais.


Cristina Dias Lourenço, que é quadro das finanças desde 2016, estava até Fevereiro do corrente ano a exercer funções de directora geral-adjunta da Unidade Técnica de Acompanhamento de Projectos de Financiamento Externo do Ministério das Finanças. Foi exonerada pelo Despacho n.º1215/20, e de seguida, no passado mês de Março, a ministra das finanças, Vera Daves a nomeou para preencher a vaga do então administrador Mário Caetano João que fora nomeado Secretário de Estado da Economia.


A sua nomeação, embora anunciada pelo Club-K, a 28 de Março, ocorreu de forma discreta, porém, durante as últimas algumas publicações tem levantado o assunto dizendo que a iniciativa da ministra das finanças facilitou a abertura de um espaço de debate critico a volta da figura do Presidente da República.


Tchizé dos Santos, uma das personalidades do MPLA que se tem destacado na liderança de correntes internas que exigem transparência na governação em Angola, ainda não se pronunciou sobre o assunto, mas presume-se que venha a faze-lo, questionando se a nomeação de Cristina Dias Lourenço se difere com a dos seus irmãos, Isabel dos Santos (Sonangol) ou Zenú dos Santos (Fundo Soberano). 

 

Apesar de ter passado por despercebido, a nomeação foi destaque de capa desta semana do Jornal português “Negócios”, com o titulo “A nomeação da filha que fragiliza o Presidente de Angola”.

 

“Esta opção vulnerabiliza João Lourenço e dá armas aos seus detratores”, escreveu o articulista da publicação portuguesa, respeitante a nova administradora da BODIVA, que se licenciou pela prestigiada “London School of Londres”, na Inglaterra.


Descrita como determinada nas suas posições, Cristina Lourenço é também a filha do casal presidencial que, no início de 2019, se preparava para anunciar, no seio familiar, planos para oficializar a relação (de três anos) que mantinha secretamente com Joess Avelino Gourgel dos Santos, com quem passou a privar no tempo em que ambos estudavam na capital inglesa.

 

Joess dos Santos, arquitecto de formação, é filho do ex-Presidente José Eduardo dos Santos de uma relação com uma antiga funcionária da sede do MPLA, Bernarda Gourgel. Por razões desconhecidas, a relação de Cristina Lourenço e Joess dos Santos desandou e ambos tomaram rumos diferentes nas suas vidas.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: