Lisboa - Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino” afastou o seu “testa de ferro”, Samora Borges Sebastião Albino, do cargo de Presidente do Conselho de Administração da Kanazuro Electric, a empresa que geria barragens (Lomaum, na província de Benguela e Mabubas, na província do Bengo) confiscadas, em Julho passado pelo Estado angolano. Em seu lugar nomeou o gestor português, Antônio Esteves Pereira Nunes dos Santos, que exercia nesta mesma empresa, as funções de diretor-geral.

Fonte: Club-k.net

O afastamento de Samora Borges Sebastião Albino da Kanazuro, que também gere outros negócios do general, é interpretada como uma medida de o “desafogar” de pressões, tendo em conta que ambos estão a responder a processos (ligado ao CIF-China International Funds) junto a Procuradoria Geral da República. A filial do CIF- Angola está formalmente em nome do “testa de ferro”, Samora Borges Sebastião Albino, e é nesta condição que foi arrolado pela PGR.

 

A Kanazuro Electric (junto com a Holding “Cochan” detida por “Dino”) funcionava no edifício do CIF, até altura do confisco pela Serviços de Recuperação de Ativos da Procuradoria-Geral da República, passando, agora, a operar num apartamento adaptado em escritório no Kinaxixi, em Luanda.

 

Desde que perdeu os negócios da gestão das barragens, a empresa entrou para um quadro de falência deixando os seus 120 funcionários sem os ordenados em atraso, e sem serem indemnizados. A sua administração foi reduzida passando a ser exercia por dois responsáveis, o novo PCA, Antônio Esteves dos Santos e a responsável das finanças, Fátima do Nascimento, sobrinha de “Dino”.

 

Ainda no seguimentos dos arrestos, o Club-K, sabe que a Kanazuro Electric desfez-se do seu patrimônio, as viaturas foram rapidamente abatidas. Há informação indicando que a administração da empresa resiste em não pagar os salários em atraso dos funcionários despedidos e as suas respetivas indemnizações.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: