Benguela - Desde 19 de Outubro de 1999, vinte e um anos passaram céleres, quase sem pestanejar. A roda da Historia é assim , inexorável, perpétua e sedenta de justica e das consequências implacáveis do seu giro ninguém escapa.

Fonte: Club-k.net

Num dia como hoje, ficou registado nos anais da nossa História a tomada pelas Forças Armadas Angolanas da Vila do Andulo, na província do Bie, considerada na altura, o bastião da armado da UNITA.


Deus me deu a bênção de ter estado lá naqueles momentos verdadeiramente épicos e de ter cumprido o desiderato de anunciar pelas antenas da Rádio Nacional, para os angolanos, para África e para o mundo, através de um telefone satélite, que o Andulo não representava doravante uma ameaça para a divisão de Angola. O fiz com a solenidade e responsabilidades requeridas, tendo a meu lado o general Simione Mukune, os generais João de Matos, Lúcio do Amaral, Panda, Nguto e outros oficiais.


Hoje, terça feira, dobra mais um ano sobre aqueles eventos dramáticos ocorridos em pleno coração de Angola e cuja intensidade bélica surpreendeu a África e o mundo e enlutou muitas famílias angolanas.


Volto a escrever sobre a data não para o facto de reclamar irresponsavelmente uma comemoração tal como a Vitória de Pirro, nada disso. O faço sim, mas como um testemunho viril para a necessária e profunda reflexão envolvendo todos os que verdadeiramente amam a nossa querida Angola.


Com o correr dos anos, utimamente, não me canso de repetir: ninguém deve ter ilusões em pretender uma supremacia individual ou de grupo sobre os demais angolanos. Isso não funciona e o preço a pagar resulta bastante alto. Infelizmente, não obstante termos rompido com o paradigma nocivo, o nosso futuro continua em jogo. Podemos buscar exemplos ao nosso passado e aprendermos com os próprios erros. Porque nao o fazemos de forma humilde e sincera?

 

Naquela terrível guerra que várias gerações de angolanos viveram no Espírito e na carne, não houve vencedores, apenas circunstanciais vencidos e plenos aproveitadores, como se observa à olho nu.


Definitivamente, somos todos angolanos e a pátria nos aceita assim, como somos, da mesma forma que uma mãe recebe no seu regaço todos os seus filhos.


Ao recordar o dia 19 de Outubro peço a Deus que as almas de todos os soldados e oficiais conhecidos e anónimos que pereceram corajosamente, em cumprimento da ingrata missão, nos dois lados das trincheiras, nas batalhas crepitantes da "Operação Restauro", definitivamente descansem na Paz eterna!


E que a glória do Senhor misericordioso resgate generosamente as almas dos incrédulos inocentes, sobretudo das crianças, mulheres e mais-velhos, cujos cadáveres, como fardos ensanguentados e mutilados pelos bombardeamentos, minas e bárbaros assassinatos, juncaram com a sua inocência o chão sagrado da nossa amada Angola!


À todos os mártires angolanos, descansem na luz da Glória eterna e nos protejam!
Que haja respeito pelos nossos mutilados de todas as guerras!


Humildemente, deixo para todos os angolanos, sobretudo os investigadores mais jovens as fotos que fiz no terreno e testemunham a dureza e crueldade daqueles tempos que, felizmente, são passado!

Hoje muitos pensam que foi fácil, pois, por acaso não foi!


Apesar das cabalas, do ocaso, da gratuita perseguição até, mantenho-me firme e sereno porque estou ciente da minha missão neste mundo.

Que Deus abençoe ANGOLA!

Catumbela, 20 de Outubro de 2020.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: