Lisboa – Ao cair da noite de sábado (24), o Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço orientou o seu diretor de gabinete Edeltrudes Maurício Fernandes Gaspar da Costa para que contactasse o antigo líder da UNITA, Isaías Henriques N'gola Samakuva para transmitir que gostaria apresentar-lhe pessoalmente sentimentos de pesar pelo falecimento por doença de um irmão, Tiago Samakuva, ocorrido no passado dia 17, na cidade do Huambo.

Fonte: Club-k.net

Falecido irmão de Samakuva foi colega de JL no Bié

Sepultado  no passado dia 20 de Outubro, na cidade Kuito, Tiago Savipui Samakuva foi o irmão mais novo de Isaías Samakuva que na infância fora colega de João Lourenço, na antiga cidade de Silva Porto. 

 

Ao entrar em  contactado com  o antigo Presidente da UNITA, o diretor do gabinete presidencial, Edeltrudes da Costa transmitiu que o Presidente  João Lourenço tomou conhecimento do infausto pelo que não podendo se deslocar a casa dos familiares do finado fazia gosto de apresentar  condolências  a família por intermédio de Isaías Samakuva convidando-o  a deslocar-se na manha desta segunda-feira, 26, ao palácio presidencial.

 

O encontro foi marcado, porém, durante a audiência o Chefe de Estado angolano aproveitou a ocasião para abordar Isaías Samakuva sobre a marcha de cidadania organizada pela sociedade civil neste sábado, 24 de Outubro de 2020, que fora reprimida pela Polícia Nacional  causando a morte de jovem um ativista, identificado por “Mãma África”.

 

Em entrevista aos órgãos de comunicação social, a porta do palácio presidencial, Isaías Samakuva confirmou que a audiência foi a pedido de João Lourenço e recomendou ao Chefe de Estado a ouvir a direcção da UNITA e a ter mais dialogo.

 

Isaías Samakuva aconselhou ainda o Presidente da República a soltura de todos os presos da marcha de sábado. O pensamento transmitido pelo antigo Presidente da UNITA, é de que não pode haver dialogo mantendo os promotores da marcha na prisão.

 

De acordo com leituras pertinentes, a iniciativa do Presidente João Lourenço em chamar Isaías Samakuva visou passar a mensagem de que a repressão ocorrida no sábado, decorreu de uma divergência entre a “Polícia e UNITA”, e não necessariamente entre “Polícia e sociedade civil”. Neste final de semana um responsável do ministério do interior culpou a UNITA pela realização da referida marcha.

 

Ainda de acordo com as mesmas leituras, o encontro serviu também para provocar desunião na UNITA, passando a mensagem de que sobre assuntos de pressão pelas eleições autárquicas, o Presidente da República, prefere conversar com Isaías Samakuva e não com  Adalberto Costa Júnior.

 

Segundo apurou o Club-K, depois de receber o convite para ir ao palácio presidencial, Isaías Samakuva  abordou   Adalberto Costa Júnior e com a cúpula da  direção do seu partido,  informando que João Lourenço queria estar com ele para apresentar condolências, embora suspeitando que o objetivo real seria outro tendo em conta que na tradição africana, quem apresenta os sentimentos de pesar é quem se desloca e não ao contrario. Já no palácio presidencial, ao notar a presença de jornalistas, Samakuva  terá também percebido que o encontro não era de caráter privado, razão pela qual quando dai saiu fez questão de deixar claro que a audiência foi a pedido do Chefe de Estado, e que por sua vez,  o sucessor de Savimbi,   aconselhou a libertar os promotores da marcha.

 

Isaías Samakuva e João Lourenço são amigos desde o tempo em que ambos estudaram na província do Bié. Os pais de ambos eram ligados a missão de Chissamba.

 

Nos últimos meses, o Presidente João Lourenço viu a sua popularidade a decrescer por conta de efeitos sociais e econômicos  e agora agravados com a conduta  de brutalidade e assassinatos  desencadeados  pela Polícia Nacional. Para fazer-se eleger em 2022, o Presidente Lourenço, revela-se favorável a um cenário eleitoral sem opositores a altura.


Adalberto Costa Júnior e Abel Chivukuvku foram sempre dados como os potenciais opositores que retirariam votos ao MPLA e ao seu candidato,  João Lourenço nas futuras eleições de 2022.

 

Abel Chivukuvku é dado como estando a beira do jogo, ao ver o registro do seu partido rejeitado. Segundo apurou o Club-K, numa das últimas audiências que teve no palácio presidencial, Chivukuvuku rejeitou um convite de Lourenço para fazer dele embaixador ou ministro das relações exterior do  seu governo.


Quanto a Adalberto Costa Júnior, desde que foi eleito líder da UNITA, o regime tem patrocinado correntes internas na UNITA para demove-lo da chefia do partido e fazer eleger um Presidente menos exigente ou da escolha do MPLA.  Inicialmente, o regime havia infiltrado um oficial da Segurança de Estado, Carlos Raimundo Alberto para fazer campanha de desinformação insinuando que a direção de Adalberto estaria alinhada a família de José Eduardo dos Santos.

 

Nos últimos meses o regime recrutou uma ala de jovens da UNITA que tem a missão de criar agitação tendo inclusive criado um personagem fictício nas redes sociais "Eloi Jamba"  que   em estreita colaboração com Carlos Alberto produzem artigos de mal dizeres sobre o partido fundado por Jonas Savimbi. Antes de sábado (24), tanto Carlos Alberto  e  o personagem "Eloi Jamba" apresentaram-se com discursos de atirar-se contra a UNITA quanto ao apoio da marcha que visou exigir a  realização de eleições autárquicas no país. 

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: