Washington - As autoridades angolanas nomearam recentemente adidos de imprensa que deverão funcionar junto as missões diplomáticas acreditadas no estrangeiros. A medida surge semanas depois de um grupo de adidos há mais de 15 anos no exterior que havia mostrado resistência em regressar ao país enveredando por campanhas “toxicas” nas redes sociais.

Fonte: Club-k.net

De acordo com dados que o Club-K teve acesso, foi nomeado como adido na Embaixada de Angola em Berlin, Leopoldo Martinho Baio, quadro da Radio Nacional de Angola que se estreia pela primeira vez na diplomacia. Este Técnico superior de Comunicação e Estratégia de Marketing, rende a também jornalista Amélia Carmelina Lopes Conde que acaba de ser transferida para exercer funções idênticas na representação permanente de Angola na ONU, em Nova Iorque.

 

Joaquim Paulo da Conceição, antigo director geral do Centro de Formação de Jornalistas (Cefojor) também se estreia na diplomacia como novo adido de imprensa na Embaixada de Angola na Rússia, um cargo que até 2019, estava reservado para o reformado jornalista Antônio José Ribeiro do “Jornal de Angola”.

 

Por usa vez, Marina Andreia de Almeida Antônio, igualmente quadro da Radio Nacional de Angola, foi nomeada como adida de imprensa na missão permanente da Republica de Angola junto do oficio das Nações Unidas em Genebra, Suíça. A mesma substitui o “decano” António dos Santos Nascimento, que ao longo dos anos serviu como conselheiro de imprensa, na Zâmbia, África do Sul e Reino Unido.

 

Outro rosto novo é Marlene Adalgiza Rodrigues Gomes a nova adida de imprensa em Madrid, Espanha. Formada em comunicação e jornalismo pela Universidade Gama Filho, no Brasil, Marlene Gomes foi ao tempo da ministra Carolina Cerqueira, a directora Nacional do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do ministério da cultura. Igualmente assessora do Comitê Provincial do MPLA de Luanda, desde Maio de 2012.

 

Foram ainda nomeados, José Carlos Manuel e Maria Otília Mateus de Almeida como adidos de imprensa na República do Botswana e na República da Turquia, respetivamente.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: