Luanda - José Ernesto é filho de Ernesto Muholo e de Laurinda José Ngonga. Natural de Quilengues na província da Huila, nasceu aos 9 de Junho de 1975. Fez os seus estudos primários na Missão de Katata. Concluiu com êxito o II nível em 1987, em Quilengues de onde partiu para o Lubango onde estudou na escola 27 de Março. Formou-se em comunicação social na Costa do Marfim, na cidade de Yamousoukrou.

*Matokisa Lutock
Fonte: Club-k.net

 

ImageZé Ernesto, carinhosamente assim tratado pelas pessoas  mais próximas, é originário de uma família de obreiros da igreja de Cristo. Por isso  foi baptizado pela Igreja Sinodal de Angola (IESA). Foi a família que inculcou nele valores de integridade, humismo e fidelidade às causas nobres em defesa dos menos equipados. Eis a razão da sua permanência e persistência nos ideais em que sempre acreditou.

 
Integrou as fileiras da comunicação social em 1996, na qualidade de correspondente da rádio VORGAN para a zona Norte da Huila. As suas qualidades que dificilmente se descrevem em poucas linhas tão cedo fizeram que fosse transferido da Huila para o Bailundo, no Huambo.

 

Nessa cidade e ainda muito jovem granjeiou  a admiração dos ouvintes e é proposto a integrar o colectivo de trabalhadores da VORGAN na Jamba, província do Kuando Kubango. Quando no dia 1 de Abril de 1998, ao abrigo do Protocolo de Lusaka, a VORGAN encerra, José Ernesto é escolhido a integrar o núcleo de jornalistas que viriam para Luanda afim de darem corpo à Rádio Despertar.


Porém , o eclodir da guerra, em Dezembro de 1998, impediu a materialização desse objectivo e é transferido do Bailundo para o  Andulo onde exerce com brio e abnegação a sua profissão na emissora local. O seu alto sentido de profissionalismo foi provado quando nem mesmo o ribombar dos canhões ou o sangue que jorrava  o impediam de manter-se aos microfones. A História jamais se esquecerá dos enormes sacrifícios que este filho da Pátria consentiu na esperança de  ter , também ele, uma Angola melhor para todos.

 

Na fase de turbulência política que o país viveu, viu-se forçado a abandonar a pátria mãe, refugiando-se na República cristã da Zâmbia, onde constituiu família com a senhora Beauty.

 

Naquele país, trabalhou para o Alto Comissariado  das Nações Unidas para os Refugiados no campo de Mayukwayukwa como jornalista e  intérprete. Estudou veterinária em Kahoma High School.

 

Em 2007  faz parte do embrião da Rádio Despertar, em Luanda. Aqui desempenhou com a mesma determinação e profissionalismo as suas funções. Condutor de homens  e exímio locutor, José Ernesto muito cedo ganhou reputação, quer nos meios jornalísticos da capital, quer  entre os ouvintes da nossa rádio.

Até a data da sua morte, José Ernesto desempenhou as funções de coordenador dos serviços de informação da Rádio Despertar e locutor sénior.

 

Como a  morte é matreira, ingrata e injusta, José Ernesto surpreendeu-nos. Nesta segunda feira chegou à rádio um emissário seu  para Tdizer que o nosso José Ernesto não se sentia bem e que precisava de assistência. Teve de imediato toda a assistência, material e médica. Infelizmente para nada valeu o esforço porque no dia seguinte, terça feira, 9 de Fevereiro, apagava-se a sua voz.

Zé Ernesto foi vítima de doença. O malogrado deixa uma viúva.

 

Este é o  relato de uma grande viagem, percorrida em apenas  35 anos e que se resume numa luta que sempre chamou, como Zé Ernesto sempre nos disse:” dignidade”.

Adeus José Ernesto,  companheiro de jornada. Longa é a saudade. Paz à sua alma.

* Estrato de elogio fúnebre  



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: