Lisboa – Jéssica Lorena Dias Lourenço, a primogénita do casal presidencial, é identificada em círculos empresariais em Luanda, como a integrante da família Lourenço que se tem consolidado no negócio de casa de câmbio, no país. 

Fonte: Club-k.net

Jéssica Lourenço, segundo fontes do Club-K, é mencionada como a beneficiaria final da “Lubongo Casa de Câmbio, Limitada”, uma retalhista de serviços criada  desde  Julho de 2017. A referida casa de câmbio, foi formalmente registada em nome de um “testa de ferro” Victorino Nassoma Suku Baptista e uma prima Henda Liberta Correia dos Santos e Ceita (sobrinha da primeira dama Ana Dias Lourenço).


Em meados de 2018, o governador do BNA José de Lima Massano, chegou a ser criticado e acusado de ter favorecido (nos leilões de dividas) algumas  casas de câmbios da linha da “Lubongo”,  JIMBUKU (ligada a um membro do BP do MPLA, general Mário António Carvalho, mas gerida por um testa de ferro, António Morais da Costa) e a “Sukulider Casas de Câmbio”, detida pelo “testa de ferro” de Jessica, Victorino Nassoma Suku Baptista.


Antes de ajudar Jessica a formar a “Lubongo”, o “testa de ferro” Victorino Batista trabalhava com o antigo ministro do Interior, Ângelo de Barros Viegas Tavares,  prestando serviços ao Ministério do Interior.


O negócio de casa de câmbio começou a despertar atenção de membros do regime do MPLA e suas respectivas famílias depois do agravamento da crise financeira em Angola. A nível do governo, o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Pedro Azevedo, constituiu também a sua própria casa de câmbio “Angola Expresso Money – Serviços de Transferência, limitada”, na qual fazem parte como sócios, o cidadão guineense Baba Jahate e o angolano Manuel Nicolau da Silva Sobrinho.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: