Lisboa  – O Banco de Fomento de Angola (BFA) congelou salários recentemente depositados nas contas de clientes seus que trabalham na comunicação social (TPA e RNA). A situação esta a causar desespero aos funcionários lesados dando seguimento a argumentação  segundo a qual a retaliação do banco esta relacionada a dividas não pagas  ou empréstimos feitos pelo antigo titular da pasta da comunicação social, Manuel Rabelais.


Fonte: Club-k.net

Profissionais não conseguem movimentar dinheiro

A Comunicação Social (CS) pagou na Quinta feira, (11 Fev) salários dos trabalhadores que detem contas banacarias no Banco BIC. No dia posterior  (12 Fev) foram pagos o ordenado daqueles   que tem conta no BFA (os  mesmos conseguiram  utilizar ou mexer nas suas contas nos primeiros dias). Entretanto na Segunda feira (15), um grupo de funcionários reagiu em bloco denunciando  que as suas contas haviam sido congeladas por atribuídas dividas do Ministerio ao banco.


O antigo titular da pasta da CS, Manuel Rabelais é apontado como tendo empresas que prestam serviços  para a RNA e TPA, algumas das quais, a Sucrimat dirigida por uma esposa, Tina. 

Em Novembro de 2008, os dinheiros para salários da RNA, foram  usados para fins desconhecidos resultando em falta de pagamento aos funcionários. No sentido de anuviar as pressões internas, o ex -  Ministro  Manuel Rabelais pediu ao então DG da TPA, Fernando Cunha para vir a publico e dizer que a “televisão” estava com os mesmos problemas (o que não correspondia com a realidade). Cunha recusou o pedido do Ministro e este  acabou por gritar com ele (em vias de irem aos murros).


Em alternativa para baixar pressão dos jornalistas que cobravam  os seus salários, o Ministro orientou o ex - DG da RNA,  Eduardo Magalhaões  para ficar uns dias em Portugal. Em, principios de  Março de 2009 o ex - Ministro Rabelais reuniu num dia de sábado, com quadros seniores da TPA para anunciar o afastamento de Fernando Cunha por alegada “desobediência”. As informações chegaram a meios próximos a figuras ligadas ao Presidente da Republica que passaram a lhe marcar.

 

Em Novembro do ano passado o Presidente José Eduardo dos Santos manifestou em privado desagrado face  a Manuel Rabelais que teria comprado, em França,  quatro carros para a cobertura do CAN. Na visão do PR, os carros poderiam ter sido  alugadas (que teriam  ficados  mais econômicos) e não comprados. (Os quadros carros não chegaram ao país até  a altura do CAN).


Esta semana o boletim Africa Minitor publicou que Manuel Rabelais, tem movido  influências tendentes a ser nomeado PCA da RNA-Rádio Nacional de Angola, mas a iniciativa está a ser prejudicada pelo impacto interno de cartas que circulam em meios políticos e jornalísticos contendo revelações que ofuscam o antigo governante em termos de honestidade e integridade moral.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: