Luanda - Uma equipa do regime foi vista nos últimos tempos, no Município de Chinjenje, província do Huambo, a fazer um levantamento de dados, sobre o local de baptismo do Presidente da UNITA, Adalberto da Costa Júnior (ACJ).

Fonte: Club-k.net

De acordo com apurações, a equipa pretendia obter informações que pudessem comprometer Adalberto Costa Junior quanto ao seu local de nascimento ou a Igreja que foi registrada. Ao deslocar-se a missão onde o líder da UNITA foi batizado, a equipa abordou um padre e consultou o livro (de assento de registro religioso) onde se encontram os dados de Costa Júnior. Alguns dos munícipes daquela localidade foram também interrogados tendo um deles garantido ter estudado com Adalberto na adolescência enquanto outros disseram que foram colega da sua irmã mais velha.

 

Segundo apurou o Club-K, a equipa dava sinais de pretender colher dados para suporte da companha que as autoridades tem movido contra Adalberto Costa Júnior. A conclusão é apoiada ao episódio de um dos sobas de Chinjenje que terá rejeitado o convite para prestar o falso testemunho em que teria apenas que dizer que Adalberto chegou ao Chinjenje quando tinha cinco anos.

 

“Ontem em mais uma acção desesperada do Regime do MPLA, o Município do Chinjenje terra natal de ACJ foi palco de uma busca sem precedentes nos serviços de registo civil e identificação que viria a prosseguir na paróquia do Chinjenje na busca do registo de batismo de ACJ e registo de nascimento. As mesmas acções não tiveram êxitos porque toda gente contactada no caso os anciãos conheceram os Pais de ACJ e o viram lá ainda em tenra idade”, lê-se numa postagem desta quarta-feira, nas redes sociais de autoria de Adriano Sapiñala, o secretario provincial da UNITA em Benguela.

 

O levantamento sobre dados do acento de batismo do Presidente da UNITA, acontece semanas depois de o Arcebispo Emérito do Huambo, Dom Francisco Viti ter gravado um vídeo dando o seu testemunho sobre a infância Adalberto Costa Júnior, naquela localidade.

 

“Acabei de receber um clipe no WhatsApp de uma figura que tanto respeito, o Dom Viti, a falar do seu parente o Adalberto Costa Júnior, presidente da UNITA. O Dom Viti fala do tempo quando o pai do ACJ vendia cana no Quinjenje”, escreve o jornalista Sousa Jamba, lamentando ter ficado “um pouco triste porque este clipe está a ser partilhado para contrariar a campanha de que o ACJ não é um Angolano puro”

 

Segundo Sousa Jamba, “esta campanha tão vil só está a ganhar uma certa atração em certos circuitos da nossa impressa por ele (Adalberto) ser um mestiço. Nos Estados Unidos, os racistas tiveram um grande choque ao notar que muitos brancos viam o Obama como um compatriota e não um negro. Os que estão por trás da campanha racista e tão nojenta contra o ACJ estão a cometer o mesmo erro”.

O RIDÍCULO DOS RIDICULOS

Ernesto Mulato, dirigente histórico da UNITA considera “ridículo” a procura de dados do Baptismo do líder do seu partido.

 

“O MPLA , ao mandar alguém onde ACJ foi baptizado para ver o livro de registro, é o cúmulo dos cúmulos. Deus que sabe tudo de cada um de nós, irá fazer a Sua justiça, segundo a Sua vontade , não é e nem será a justiça dos homens, que é mais injustiça”, escreve nas redes sociais, o também deputado considerando haver “uma loucura fora do normal, com tantas tentativas falhadas, mesmo assim não querem aceitar que algo não está bem”.


De acordo com apurações, o regime terá também enviado uma equipa a cidade do Porto em Portugal, com o objetivo de fazer levantamento da vida acadêmica de Adalberto Costa Júnior que ai estudou engenharia. A estratégia seria colher dados para dar sustendo a uma campanha levada a cabo por um oficial dos serviços secretos Carlos Alberto que insinua que o Presidente da UNITA não tem formação acadêmica.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: