Luanda - A Procuradoria-Geral da República (PGR) negou, hoje (26), ter recebido das autoridades judiciais portuguesas uma lista discriminada de fortunas de cidadãos nacionais domiciliadas em Portugal.

Fonte: JA

De acordo com o procurador-geral da República, Hélder Pita Grós, que reagia ao Jornal de Angola à notícia veiculada pelo jornal português Correio da Manhã (CM), "até ao presente momento a PGR não recebeu qualquer lista com este teor."

 

Hélder Pita Grós reconheceu, no entanto, que "temos tido cooperação e colaboração pontual com as autoridades portuguesas em processos específicos." "Por conseguinte, é frequente deslocarmo-nos a Portugal e a outros países no âmbito da aludida cooperação", reforçou o magistrado do Ministério Público.


O jornal luso noticiou ontem que a Justiça portuguesa, através do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), entregou, na semana passada, a Angola lista das fortunas que vários cidadãos angolanos possuem em Portugal.


As listas, que constam de um relatório, têm mais de sete mil páginas e incluem detalhadamente todos os bens que existem em Portugal, com destaque para contas bancárias, aplicações financeiras em fundos de investimento, acções de várias empresas cotadas e não cotadas, imóveis e participações sociais.


O relatório, que cumpre com uma carta rogatória que a Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola tinha pedido, há mais de um ano, às autoridades judiciais portuguesas, foi entregue em mão, segundo o CM, a um funcionário judicial da PGR de Angola que se deslocou propositadamente a Portugal.


São dezenas de nomes de cidadãos angolanos que constam da lista, entre eles os de familiares do antigo Presidente da República, José Eduardo dos Santos. O grosso da informação disponibilizada, segundo o CM, refere-se à Isabel dos Santos. A filha do ex-Presidente fez investimentos nas empresas portuguesas NOS, Galp, Efacec, Millennium BCP, Banco BIC e noutras dezenas de empresas.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: