Lisboa - Faleceu na madrugada desta quarta-feira, 28, vitima de doença, o general Arlindo Samuel Kapinala “Samy”, que foi o último Vice-Chefe de Estado Maior das forças militares da UNITA. O oficial reformado morreu às três da manha, na província do Cuando Cubango, quando criava condições para ir a República da  Namíbia para tratar de uma malária.

Fonte: Club-k.net

Ao tempo da guerrilha da UNITA, destacou-se como um dos principais comandantes da guarnição de Jonas Savimbi. Mas seria a data altura, do conflito armado ou pôs eleitoral, que o líder guerrilheiro dispensou-o para comandar pessoalmente uma celebre brigada mecanizada que tinha a tarefa de retomar a cidade do Huambo, sua terra natal.

 

Em Maio de 2001, quando Jonas Savimbi deixou de falar as rádios estrangeiras e ao telefone como medida preventiva de identificação da sua voz por parte do governo angolano, os contatos a nível da hierarquia militar,  eram feitos por intermédio do  general Arlindo Samuel Kapinala “Samy”, que repassava as mensagens/orientações aos comandantes militares da guerrilha.

 

A morte de Savimbi, a 22 de Fevereiro de 2002, encontrou-o na coluna do então Vice-Presidente da UNITA, general Antônio Sebastião Dembo, junto da coronel Alda Sachiambo, Catarina Ululi (esposa de Savimbi), o tenente coronel Fitó, “Velho Saissassu”, e outros oficiais  de identificação imprecisa. O general “Samy” ajudou a enterrar Dembo, quando este veio a falecer três dias depois do  desaparecimento de Savimbi, nas matas do Moxico.

 

Antes da crise do Covid-19, em Angola,  prontificou-se junto a família Dembo, para  integrar a uma comissão que iria se encarregar na localização e recuperação das ossadas do antigo “numero dois da guerrilha” da UNITA, que fora  enterrado  na margem direita do rio Lamai a pouco menos de 20 km da comuna do Luvuei, no Moxico.

 

Em 2002, o general Arlindo Samuel Kapinala “Samy” fez parte das negociações entre as partes beligerantes, em Angola,  tendo depois se integrado nas FAA, onde antes de se reformar desempenhou o cargo de presidente da Comissão Superior de Disciplina Militar (CSDM) do EMGFAA. 

 

Na fase da reforma passou a ensaiar-se aos negócios privados (exploração de madeira no Katutui) na província do Cuando Cubango  onde ia com frequência, e ao mesmo tempo assessorava a direção do partido chefiada por Adalberto Costa Júnior em matérias de analise de  inteligência, uma das suas áreas de preleção  que se tornou “expert” ao tempo em que integrava a segurança  de Jonas Savimbi.  

 

Em Agosto deste ano, este general nascido no Huambo,  iria completar 61 anos de idade. 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: