Luanda - Em 14 de abril de 2021, Angelina Vunge tomou assento no paralmento do Uruguai. A angolana fez uma longa travessia de exploração laboral, violência doméstica e vários abusos sexuais, fugiu da guerra civil nela país (1975-2002) e chegou ao Uruguai há 20 anos sem papéis.

Fonte: Plataforma

Quando o presidente da Câmara dos Deputados deu a palavra, ela disse: “Acredite, é muito importante para mim estar aqui hoje. É um dia especial para mim.” E sua voz falhou um pouco antes de referir-se ao projeto que estava sendo votado naquele dia.

 

Não seria novidade para uma mulher assumir o lugar de deputado que lhe foi deixado por um homem se não fosse por Angelina Vunge, que é angolana, sofreu uma infância de exploração laboral, violência doméstica e vários abusos sexuais, fugiu da guerra civil nela país (1975-2002) e chegou ao Uruguai há 20 anos sem papéis, sem conhecimento do idioma, sem emprego e sem dinheiro.

 

E no mês passado ela se tornou a primeira legisladora africana no Parlamento uruguaio.

 

Desde muito jovem habituou-se a constantes mudanças, com o único propósito de escapar aos atentados entre a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), movimento rebelde que contava com o apoio da África do Sul, dos Estados Unidos e outras potências ocidentais e o governante Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), que tinha o apoio da União Soviética e das tropas cubanas.

 

Viveu assim em diferentes aldeias: uma vez em Kinguenda, outra em Kitumba e outra em Kasela.

 

Quando atingiu a maioridade, encontrou Angelina como uma empregada de restaurante que trabalhava para as Nações Unidas.


Foi em 1996 e lá conheceu Cristina Benítez, militar uruguaia enviada pelo contingente do país do Cone Sul a Angola em missão de paz.

 

Benítez deslocava-se três vezes por semana a diferentes cidades angolanas para prestar cuidados (uma peça, comida e roupa) aos guerrilheiros da UNITA que decidiram depor as armas.


A jovem angolana disse-lhe que queria emigrar, que pensava em tentar a sorte em Portugal ou no Brasil por causa da língua. Benítez ofereceu-lhe hospedagem em sua casa em Montevidéu.

 

“Tenho três filhas, mas há mais uma peça, e divido todas as minhas com você”, disse ele.

 

A primeira coisa que Vunge perguntou a ele foi: “Existe uma guerra no Uruguai?”

 

“Não, não há guerra. O que há é frio no inverno, porque temos quatro estações. Não como vocês aqui, que não conhecem o frio.”


Chegou a Montevidéu em 28 de novembro de 1999, dia do segundo turno das eleições nacionais em que o colorado (à direita) Jorge Batlle venceria a ampla frente (à esquerda) Tabaré Vázquez.


Cristina Benítez – a quem Angelina chama de “mãe” desde que se tornaram amigas em Angola – e ela pegou um táxi para ir ao local de votação.

 

Nelson, o taxista, ficou extasiado com a beleza africana, que ele confundiu com uma brasileira. Ele se apresentou como sobrinho do então candidato à presidência Vázquez e se ofereceu para ajudá-la com os documentos para obter a residência e a cidadania.

 

Eles começaram a namorar, se conhecerem e acabaram se casando. Eles tiveram dois filhos, que agora são adolescentes. Angelina começou a trabalhar na limpeza de casas de família, aprendeu espanhol e conseguiu um emprego como garçonete em um restaurante.

 

Lá, uma noite atendeu um veterano líder político, Alem García, do Partido Nacional. García perguntou-lhe de onde era e porque é que uma angolana tinha ido parar ao Uruguai.

O político continuou indo jantar no restaurante e conversando com sua namorada favorita. Um dia ele disse duas coisas: “Sua história é para um livro!” e “você deve entrar na política”.

 

Angelina fez uma careta de dúvida. Ela preferiu que sua história fosse um romance da Rede Globo ao invés de um livro. E ele acrescentou: “Política de mim? Nããão.”

 

Uma semana depois, o diretor da editora Planeta ligou para ela, ouviu sua história de vida e confirmou o que García intuía: havia uma autobiografia em construção.
No final de 2019, e sob a asa do ex-presidente (e bilionário) Juan Sartori, Angelina liderou a lista de um dos agrupamentos do Partido Nacional para a câmara baixa do Parlamento. Mais uma vez, foi García quem o promoveu.

 

Ele havia definido como meta há exatamente 10 anos, quando trabalhava naquele restaurante.


Ao passar com os filhos Ellery (20) e Ian (15) pelo Palácio Legislativo, disse-lhes, profeticamente: “Algum dia vou trabalhar neste prédio. Não sei se como faxineiro, como zelador ou servindo café, mas vou trabalhar aqui “.

 

Em novembro de 2019, foi eleita deputada substituta pelo governante Partido Nacional e em 14 de abril assumiu o cargo.

 

“Venho de um país africano. Passei por dificuldades, vivi situações de urgência, de guerra. Sei perfeitamente o que se vive agora neste país, que é o desafio diante daquele inimigo que ninguém vê”, disse. , antes de comunicar que votaria a favor de uma homenagem para arrecadar dinheiro para o Fundo Coronavirus, com o qual ajudar os setores mais afetados pela pandemia.

 



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: