Luanda - Executivo aprovou novos critérios para a atribuição de estatuto de Organização de Utilidade Pública. Fonte do NJ observa, entretanto, que valores do financiamento a esta classe de instituições já registaram níveis «inadmissíveis».

Fonte: Novo Jornal

A AJAPRAZ (Associação dos Jovens Angolanos Provenientes da Zâmbia) consta do topo das organizações com Estatuto de Utilidade Pública que mais embolsaram dos cofres públicos em 2019, com um total de 1,3 milhões de kwanzas recebidos, apurou o Novo Jornal.



De acordo com uma tabela de financiamento às organizações de Utilidade Pública em 2019, a instituição presidida por Bento Raimundo aparece como tutelada pela Secretaria-Geral da Presidência da República.


Também adstrita àquele órgão, ligado ao Titular do Poder Executivo, está a Orquestra Sinfónica Kaposoka, que aparece na tabela com uma cabimentação na ordem dos 781,1 milhões Kz.

Muito abaixo destes valores ficaram instituições como a União dos Escritores Angolanos (111,4 milhões Kz), Cruz Vermelha de Angola (81,8 Kz), Conselho Nacional da Juventude (59,1 Kz) e UNAC-União Nacional dos Artistas e Compositores (27,2 milhões).


O volume do financiamento concedido à AJAPRAZ pode, também, ser medido se comparado com o orçamento inscrito no OGE revisto de 2019 para o Diagnóstico e Tratamento da Hidrocefalia: 416,5 milhões. Contas feitas, mais de três vezes que a quantia canalizada à Associação dos Jovens Angolanos Provenientes da Zâmbia naquele ano.


Entre as organizações ligadas à actividade desportiva, saltam à vista na tabela os valores alocados ao Complexo da Piscina do Alvalade, que, em 2019, recebeu um financiamento de 80 milhões Kz, acima de Federações como a de Xadrez (22,6 milhões Kz) e de Natação, que receberam 6,5 milhões Kz.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: