Luanda - Em Março deste ano, o Presidente da República, João Lourenço, autorizou a compra de 6 milhões de doses da vacina Sputnik V no valor global de 111 milhões de dólares. Ou seja, por cada dose, Angola pagou 18,5 dólares. Mas, então, onde está o problema?

Fonte: Club-k.net

O problema reside no seguinte:

1. Na altura em que o RDIF (Fundo de Investimento Directo Russo, proprietário da vacina) anunciou o início da comercialização da Sputinik V, indicou claramente que a sua vacina seria comercializada abaixo de 10 dólares;


2. Uma vez que cada dose custava menos de 10 dólares, a inferência é que Angola gastou o dobro do preço;


3. O grupo micheiro que arquitectou a sobrefacturação das vacinas ficou com 51 milhões nos bolsos, pois, não há evidências de que a RDIF recebeu os 111 milhões de dólares para as 6 milhões de vacinas.


Deve ser notado (lembrado) que a sobrefacturação tem sido um dos principais mecanismos por via dos quais os larápios espalhados como cogumelos em todo o aparelho do Estado têm drenado dinheiro público.


Com o caso das vacinas, o Presidente da República revelou possuir no seu gabinete e no seu governo uma série de fragilidades que são inacreditáveis. E tudo indica são fragilidades mantidas propositadamente, ou seja, para viabilizar os esquemas de sobrefacturação.


Assim vai Angola, o país dos micheiros.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: