Luanda - No quadro da visita do Chefe de Estado e do Governo de Angola, à República da Turquia, procedeu-se à realização de um Fórum Empresarial, no qual o Governo de Angola, teve a oportunidade soberana de providenciar um conjunto de informações, relativas ao processo de reformas sectórias em Angola, centradas na melhoria do ambiente de negócios, prevendo ter como motor do crescimento económico nacional, o vibrante sector privado.

Fonte: Club-k.net

Um país como a Turquia é sem razões de questionamento crucial para o estabelecimento de parcerias conjuntas, com vista a captação de investimentos nos mais diversos sectores, face às potencialidades que este país apresenta, em áreas chaves como, o turismo, agricultura, indústria têxtil, electrónica, automotiva e a componente de serviços.

 

Segundo dados do Instituto de Estatística da Turquia (2019), apontam que o nível de receitas do país, proveniente do sector do turismo, cifram em 34 mil milhões de dólares americanos. Actualmente, é um dos destinos mais procurados do mundo e continua seus esforços para oferecer melhores serviços para quem visita o país.

 

É oportuno, o desenvolvimento de parcerias neste sector de importância capital para a diversificação economica, a cooperação, seria o caminho ideal para a criação de programas de Assistência Técnica e formação, para a capacitação técnica e transferência de know how aos quadros nacionais, que proporcionaria expertise para o desenvolvimento de estratégia de fomento deste sector.

 

Uma parceria estratégica com o Governo da Turquia, poderá estimular e promover a recuperação económica e a diversificação da economia em sectores essenciais, pelo que é necessário, a continuidade das reformas e as garantias legais aos investidores para expatriação dos seus dividendos.

 

Neste Fórum, o sector empresarial turco, tomou conhecimento das acções em curso em Angola e dos programas de desenvolvimento, que poderão funcionar como elemento catalisador à captação de investimentos em Angola, sobre o qual referencio dois aspectos fundamentais, nomeadamente, a eliminação dos entraves aos investimentos, por meio de mecanismos que garantam uma maior protecção legal aos investidores e a possibilidade de transferência dos seus lucros e dividendos em tempo oportuno; a melhoria constante do ambiente de negócios e acções que potencializem o combate a corrupção e à impunidade.

 

Os sectores do turismo, agricultura, indústria petroquímica, e pescas também foram destacados como áreas prioritárias no actual processo de diversificação económica.

 

Este evento, poderá desencadear a reflexão ao sector empresarial, deste gigante da Eurásia, e a busca contínua de parceiros internacionais, para o investimento local, a necessidade da divulgação da imagem de uma nova Angola e, apresentação dos programas e reformas em curso localmente, poderá desencadear no conforto aos investidores internacionais.

 

A título excepcional os Investimentos Directo Estrangeiro (IDE) em vários sectores da indústria poderá desencadear processos de transformação nacional e proporcionar o crescimento da economia, além de gerar mais emprego e renda as populações.

 

No entanto, é premente o estabelecimento de parcerias em matérias de competências económica e progresso tecnológico, de forma que Angola possa canalizar oportunidades de cadeia de valor a partir do desenvolvimento de vantagens comparativas em áreas específicas para exportação de bens, tendo em conta o nível de complementaridade que as duas economias apresentam.

Luanda 1 de Agosto de 2021.-
Terêncio António, Docente Universitário.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: